Educação Básica - Projetos e Artigos científicos ACESSAR

‘Pra ficar claro, escureci’: artistas negros expõem obras de arte em antiga senzala de Fortaleza

Curta a agenda:
Curta o CEERT:
Felipe Heloi, Nycolas Di e Tamires Ferreira, três dos artistas responsáveis pela exposição/Reprodução: G1

Ínicio: 10:00, Quinta, 07 de Outubro de 2021
Término: 17:00, Quarta, 27 de Outubro de 2021
Local: Casa Barão de Camocim


A exposição pode ser visitada de terça a sábado, na Casa Barão de Camocim, no Centro da capital.

Quatro artistas negros de Fortaleza resolveram expor obras de arte em um local que já foi uma senzala. A exposição, que começou nesta quinta-feira (7), fica na Casa Barão de Camocim, espaço cultural no Centro da capital. “Pra ficar claro, escureci” traz produções que abordam a força e presença da negritude no Ceará.

As obras coletivas expostas são ‘Que negro/a é você?’; ‘Negro é cor?’; ‘Tinta Branca no Muro Preto’ e ‘Oxalá e Negros no poder’, assinadas coletivamente por Felipe Heloi, Nycolas Di, Tamires Ferreira e Robson Marques.

“Nossa exposição não é apenas de obras visuais, mas também traz desconforto sensorial. As pessoas são convidadas a sair do salão para ir ao porão, espaço desconfortável, quente, que traz um sufocamento. Isso é importante porque a romantização da história colonial permanece intacta”, afirma a artista plástica Tamires Ferreira.

Germiniano Maia, natural de Aracati, recebeu o título de ‘Barão de Camocim’ da família imperial, por volta de 1880, segundo o Mapa Cultural da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult). Este foi o único título de barão outorgado pela Coroa portuguesa. Maia construiu a casa que sedia a exposição.

“A escolha do local foi muito estratégica porque a Casa do Barão de Camocim reflete muito a arquitetura colonial, que traz uma memória muito dolorosa e, ao mesmo tempo, muito contraditória. Quando a gente faz essa exposição e puxa para esse espaço que é uma senzala, falamos de cultura, de história, de um espaço de esquecimento, porque, até então, antes da exposição, o espaço estava fechado”, complementa Tamires.

A exposição, que tem apoio da Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor), segue aberta à visitação até o dia 27 de outubro, de terça a sexta, de 10h às 17h, aos sábados, de 9h às 16h e possui intérprete de libras.

 

 

Curta a agenda:
Curta o CEERT: