EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Jovens discutem moda, racismo e história no Youtube

Autor: Redação - Rede Brasil Atual Data da postagem: 18:00 15/11/2016 Visualizacões: 1405
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
'É importante que a gente fale da militância, mas é importante também que a gente fale da gente' / REPRODUÇÃO/TVT
Durante o mês de novembro, plataforma de vídeo promove conteúdos de canais de jovens youtubers negros que misturam a questão racial com diversos assuntos do cotidiano.

Durante todo o mês de novembro, quando se comemora o Dia da Consciência Negra (dia 20), o Youtube vai divulgar o trabalho de jovens youtubers negros, que produzem vídeos que estimulam a discussão racial. No último sábado (11), com a plataforma promoveu debate com produtoras de conteúdo negras que fazem sucesso nas redes sociais com o tema A Representatividade do Negro no Youtube.

Foi através do canal Afros e Afins que a estudante de ciências sociais Nátaly Nery, que esteve presente no debate, conseguiu ampliar a discussão do feminismo negro e do combate ao racismo. Produzindo vídeos há um ano e quatro meses, o canal já tem mais de 115 mil seguidores.

Para ela, o Youtube é uma ferramenta para fazer a disputa de narrativas: "Por que a gente não pode entrar com os nossos ideais, com a luta antirracista, antissexista na internet e tentar construir uma nova realidade?", questiona Nátaly, em entrevista à repórter Michelle Gomes, para o Seu Jornal, da TVT

https://www.youtube.com/watch?v=ijU2ZeGHaaY

A discussão também contou com a presença de Ana Paula Xongani, do canal Xongani Moda Afro, e Xan Ravelli, do canal Soul Vaidosa. Ana Paula considera o Youtube um espaço democrático que deve ser mais utilizado pelos negros para falar o que quiserem, não apenas sobre a questão racial. "Que eu fale da minha cor preferida, de quem eu sou. É importante que a gente fale da militância, mas é importante também que a gente fale da gente."

Outro caso de sucesso é do youtuber do jovem Pedro Henrique Cortês, de 14 anos, que angariou inúmeros seguidores ao produzir séries de vídeos contando a história de heróis negros brasileiros, como Machado de Assis, Luís Gama e Zumbi dos Palmares.

 

Leia também: 

Ana Paula Xongani: ‘O racismo que a gente vive fora do Youtube, vive no Youtube também’

Enegrecendo o YouTube: fazendo o que a TV nunca fez

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: