EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Os meios de comunicação podem ser grandes aliados no combate à desigualdade social

Autor: Natasha Szaniecki Data da postagem: 09:34 16/02/2021 Visualizacões: 128
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
A empreendedora Ana Paula Xongani posa para foto em Artur Alvim, São Paulo/Reprodução: Folha de S. Paulo

ViacomCBS Brasil firma parceria com Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades para ações contra discriminação racial

Três vírus se espalharam pelo mundo em 2020. Um deles, tão conhecido dos brasileiros, ficou ainda mais evidente: o da desigualdade social, ocupando uma marca histórica jamais vista antes. Os outros dois são o coronavírus e as fakenews. E o mundo acordou para isso.

O racismo virou a pauta da vez nessa pandemia, com casos como o do americano George Floyd, barbaramente assassinado em plena luz do dia por policiais americanos, e o do brasileiro João Alberto Silveira Freitas, morto por agentes de uma empresa de segurança, dentro do Carrefour.

Os dois casos foram gravados por quem assistia. Fotos e vídeos da brutalidade dos ocorridos espalharam-se por todos os lados. De revirar o estômago.

Debra Ray é consolada após falar em velório de seu sobrinho, Dijon Kizzee, um homem negro de 29 anos que foi morto por policiais com pelo menos dez tiros pelas costas após uma abordagem motivada por uma infração de trânsito Mario Tama - 1º.set.20/Getty Images/AFP

O caso George Floyd deflagrou uma onda de manifestações nos Estados Unidos. No Brasil, manifestantes fizeram protestos e uma filial do Carrefour, em São Paulo, foi destruída.

Afinal de contas, como nós, cidadãos, podemos olhar pra tudo isso pacificamente? Não estou incitando a quebradeira geral, mas percebo que os nervos estejam à flor da pele.

Fato é que passeatas e manifestações, além de posts em redes sociais, ajudam, sim, chamam a atenção e mostram, mais que tudo, a indignação e a inquietude da população. Porém, atitudes mais concretas e palpáveis deveriam ser tomadas.

O que efetivamente está sendo feito para o combate ao racismo? Divulgar nas redes sociais a nossa aflição e pesar frente a atitudes racistas é um passo, embora ainda pequeno.

Num tributo a George Floyd e à onda mundial dos protestos Black Lives Matter, alguns canais da ViacomCBS, entre eles Comedy Central e MTV, interromperam a sua programação e deixaram a tela da TV preta com os dizeres: "Não consigo respirar", que piscava no ritmo do som da respiração.

Foram 8 minutos e 46 segundos – tempo em que o policial asfixiou Floyd. Quem sintonizou os canais do grupo nesse dia certamente sentiu uma enorme agonia com essa mensagem.

Desde esses ocorridos, algumas empresas tem se mostrado bastante abertas a mudar seu cenário. É o caso do Magazine Luiza, que encarou uma iniciativa extremamente positiva e abriu um processo seletivo exclusivo para admissão de trainees negros.

Um ato concreto, que possibilita privilegiar quem nunca teve privilégios. E ainda teve gente dizendo que dona Luiza Trajano estaria aplicando um racismo ao reverso.

O Brasil está entre os países mais desiguais do mundo. Convivemos há mais de 500 anos com racismo e desigualdade social, mesmo sendo os negros e pardos a população com maior representatividade, com 56%; e brancos com 43% no país.

Uma multidão que é minoria mesmo sendo maioria.

Segundo o IBGE, 29% dos negros no Brasil são trabalhadores subutilizados (sem emprego ou trabalhando menos do que gostariam) versus 19% dos brancos. A renda mensal domiciliar per capita de um negro é de R$ 934 e a de um branco é de R$ 1.846.

Os cargos de gerência são ocupados por 69% de brancos enquanto apenas 30% são preenchidos por negros. Já uma pesquisa inédita realizada em janeiro pela rede de escolas de informática Microcamp, com 2.624 alunos, destacou que quase 100% dos jovens brasileiros acham o Brasil um país racista, mas apenas 3,7% assumem preconceito.

A maioria (77%) também concorda que faltam políticas públicas para enfrentar o preconceito racial com seriedade no país e 51% pensam que as redes sociais causam discórdia e pouco avanço na solução do problema.

Esse é o momento, talvez, de empresas privadas assumirem seus papéis e implementarem planos de reais de combate às desigualdades sociais. E desigualdade social inclui não apenas oferecer oportunidades a pretos, mas também à representantes LGBTQIA+, além de deficientes físicos e intelectuais e pessoas gordas.

Com o objetivo de desenvolver projetos nessa área, a ViacomCBS Brasil acaba de firmar parceria com o CEERT - Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades para promover a equidade e combater a discriminação racial.

Criada em 1990, a ONG produz conhecimento, desenvolve e executa ações para a igualdade racial e de gênero.

A parceria visa abordar diversos temas nas áreas de juventude, educação, justiça e de estímulo à equidade racial. Segundo Daniel Teixeira, diretor de Projetos do CEERT, é fundamental pautar o racismo e a promoção da equidade nos meios de comunicação, principalmente naqueles focados no público jovem.

É preciso que a conscientização sobre a temática racial e o desequilíbrio social seja a mais ampla possível e que os meios de comunicação cumpram sua função social ao contribuir para isso.

Há, mais do que nunca, uma necessidade emergencial de se dedicar à uma mudança estrutural e cultural. E a ViacomCBS está aberta para parcerias que visem combater essa disparidade.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: