Educação Básica - Projetos e Artigos científicos ACESSAR

6 livros para o empoderamento das meninas negras

Autor: Cristina Souza Data da postagem: 09:00 12/10/2021 Visualizacões: 99
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Livro Nubia/Imagem: CEERT

O Dia Internacional da Menina é celebrado em 11 de outubro. A data foi criada para ampliar a conscientização da sociedade sobre as desigualdades sofridas pelas meninas que prejudicam seu pleno desenvolvimento e a necessidade de políticas públicas para garantir seus direitos como educação e proteção social.

As meninas negras sofrem pressões de todo tipo. Uma dupla discriminação - gênero e raça - em intersecção, que faz com que sejam sobrecarregadas com afazeres domésticos e o cuidado dos irmãos mais novos; além disso, vivem em um mundo onde persiste a valorização da estética de pessoas brancas, dificultando o fortalecimento de sua autoestima.

Selecionamos seis livros que visam ao empoderamento das meninas negras.

1) Nubia

autora: Maria Aparecida Silva Bento

Núbia tem 10 anos. Todo ano sua escola participa da Olimpíada da Cidadania, uma competição cultural entre as escolas de todo o estado. Ela dá prêmios incríveis para os alunos vencedores e também para as escolas.

Este ano o tema é “A África e os descendentes africanos no Brasil”. Se ela passar nessa etapa, vai ser uma correria para pesquisar e fazer o trabalho, mas será também uma divertida e curiosa aventura. E o prêmio é uma viagem ao Egito.

2) O mundo no black power de Tayó

autora: Kiusam de Oliveira

Tayó é uma menina negra que tem orgulho do cabelo crespo com penteado black power, enfeitando-o das mais diversas formas. A autora apresenta uma personagem cheia de autoestima, capaz de enfrentar as agressões dos colegas de classe, que dizem que seu cabelo é ruim. Mas como pode ser ruim um cabelo fofo, lindo e cheiroso? Vocês estão com dor de cotovelo porque não podem carregar o mundo nos cabelos, responde a garota para os colegas. Com essa narrativa, a autora transforma o enorme cabelo crespo de Tayó numa metáfora para a riqueza cultural de um povo e para a riqueza da imaginação de uma menina sadia.

3) Amoras

autor: Emicida

Na música "Amoras", Emicida canta: "Que a doçura das frutinhas sabor acalanto/ Fez a criança sozinha alcançar a conclusão/ Papai que bom, porque eu sou pretinha também". E é a partir desse rap que um dos artistas brasileiros mais influentes da atualidade cria seu primeiro livro infantil e mostra, através de seu texto e das ilustrações de Aldo Fabrini, a importância de nos reconhecermos no mundo e nos orgulharmos de quem somos – desde criança e para sempre.

4) Kuami

autora: Cidinha da Silva

Janaína, uma jovem sereia – filha de uma sereia e um baiacu – e o elefante africano Kuami se envolvem em uma aventura para libertar a mãe de Kuami, Dara, de perigosos traficantes de animais. Com uma narrativa ágil e personagens representativos, Cidinha da Silva constrói uma trama que tange críticas ao agronegócio, à exploração irracional da Natureza, a formas contemporâneas de escravidão e ao maltrato de animais, ao mesmo tempo que fala de afeto, de cuidado, de resistência, de amor em todas as suas formas. Um amor que se resolve em ação, que liberta e cura.

5) Malala, a menina que queria ir para a escola

autora: Adriana Carranca

Neste livro-reportagem, a jornalista Adriana Carranca relata às crianças a história da adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, baleada por membros do Talibã quando tinha 14 anos por defender a educação feminina. A repórter traz suas percepções sobre o vale do Swat, a história da região e a definição dos termos mais importantes para entender a vida desta menina tão corajosa.

6) Nuang - caminhos da liberdade

autora: Janine Rodrigues

Os Uthando eram conhecidos por sua sabedoria, pela honra de suas palavras e por sua beleza preta. As mulheres eram detentoras de conhecimentos milenares e tinham grandes cabelos crespos, belos como coroas.

Nuang, uma Uthando alegre e talentosa, gostava de deitar no colo de sua avó e ouvir histórias. Um terrível acontecimento mudou o percurso de seu caminho. É a fé em Nzambi, a força da memória, a união e a confiança que darão força para Nuang e seu povo reconquistarem a liberdade que até hoje, todos nós, ainda buscamos alcançar.

Hair Love [bônus]

Ainda que não seja um livro, não tínhamos como deixar de fora dessa lista para empoderar meninas negras, a animação Hair Love, curta metragem produzido em 2019 por Matthew A. Cherry e nomeado ao Oscar, premiação mais prestigiada da indústria cinematográfica. O filme emociona ao apresentar o pai de uma menina com cabelo crespo que aprende a trançar o cabelo da sua filha.

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: