Família é fundamental na recuperação de usuários de drogas

Autor: Izilda Alves Data da postagem: 18:00 31/08/2016 Visualizacões: 1404
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Google Imagens

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jovem que foi internado pelo uso de drogas destaca na Campanha da Jovem Pan a importância dos pais em sua recuperação:

“Se não fosse pelos meus pais eu não estaria aqui hoje para compartilhar minha história. Eu fui usuário de bebidas alcoólicas, cigarro, maconha, lança-perfume, ecstasy, lança-perfume e cocaína, drogas que me levaram a uma doença progressiva e incurável chamada dependência química. Doença que me custou quatro meses de internação, doença que me fez ter atitudes inacreditáveis no passado: mentiras, agressividade, desrespeito, manipulação. Se não fossem meus pais, que me obrigaram a fazer o tratamento, eu hoje estaria ou preso ou morto.
Sou eternamente grato pela atitude dos meus pais. PAI, MÃE, EU AMO VOCÊS. OBRIGADO! Um grande beijo.”

O jovem que foi tratado na Clínica Reviva, em Ibiúna (SP), contou sua história em Jovem Pan Pela Vida, Contra as Drogas, campanha com apoio da Lincx Sistemas de Saúde. Foi na série de apresentações que estamos fazendo esta semana para os estudantes e professores da FITO- Fundação Instituto Tecnológico de Osasco, onde estudam 4 mil alunos. Os profissionais que têm participado na Campanha na FITO também tem destacado a importância da família na recuperação de dependentes químicos.
Disse o psicanalista Nelson Ito, da Clínica Intervir: “Família é fundamental na prevenção. E também fundamental na recuperação do usuário de drogas.”

Disse o terapeuta Mauro Voigt, vice-presidente da Clínica Intervir: “Sem família, fica muito difícil recuperar o dependente químico. E família é fundamental na luta contra as drogas.”

Enfatizou a psicóloga Elza Lopes, diretora da Clínica Pronovi: “É a família que ensina limites, é a família que dá formação. Na recuperação, família é vital para o tratamento ser bem sucedido.”

Leia também:

Dez anos do fracasso da lei de drogas no Brasil

Brasil contabiliza número recorde de 57 mil homicídios em um ano

Violência policial contra a população preta e pobre: a ditadura não acabou

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: