EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Homem é banido para sempre do Tinder após comentários machistas e racistas

Autor: Redação Estadão Data da postagem: 18:00 14/03/2017 Visualizacões: 742
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Após ser racista e machista com uma mulher com quem conversava, rapaz é banido para sempre do Tinder / Foto: Reuters - Mike Blake - Illustration - Estadão

Nick Vedovi fez diversas ofensas a uma mulher que não o respondeu rapidamente - mas não ficou impune

No Tinder é possível encontrar diversos tipos de pessoas, mas, há algumas semanas, o aplicativo de relacionamento deixou claro o tipo de pessoa que não quer cadastrado: racistas e machistas.

Tudo começou quando um jovem que mora em São Francisco, nos Estados Unidos, compartilhou no Facebook prints de uma conversa de sua amiga com um rapaz chamado Nick Vedovi no Tinder. Nas imagens, é possível ver que Nick foi bastante preconceituoso e sexista após a menina não tê-lo respondido rapidamente, a ofendendo, inclusive, por sua origem asiática.

O post viralizou, outras mulheres relataram ter tido problemas com o mesmo rapaz e muitas pessoas mostraram repulsa às falas de Nick.

Então os responsáveis pelo aplicativo resolveram tomar uma atitude: baniram Nick para sempre do app e Rosette Pambakian, vice-presidente de comunicações do Tinder, publicou uma carta aberta a Nick (e qualquer outro que se comporte como ele). Na carta, Rosette começa falando que, em comemoração ao Dia Nacional do Porco - comemorado nos Estados Unidos no dia 1º de março -, o Tinder deixa claro que não tolera 'porcos machistas' e 'discursos sexistas'.

"Eu fiquei pessoalmente ofendida com o que você disse. As suas palavras para aquela mulher foram um ataque, não só contra ela, como contra todas nós. Todos os dias, nós trabalhamos para livrar nosso ecossistema de parasitas como você. Eu nunca vou entender por que alguém escolhe espalhar ódio pelo mundo, mas você não tem essa opção no Tinder. Ódio não é uma opção e nós continuaremos a enfrentá-lo onde quer que ele mostre sua cara feia.", escreveu Rosette. Leia a carta na íntegra no blog do aplicativo.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: