Brasileira conta como é ser uma das únicas negras em mestrado na Argentina

Autor: Breno Damascena Data da postagem: 14:00 09/01/2019 Visualizacões: 386
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Sophia Costa é uma das únicas negras fazendo mestrado na Argentina / Imagem: Arquivo Pessoal

 Sophia Costa sempre ocupou lugares onde era uma exceção. Foi a única criança negra na escola particular, a menina diferente no grupo de amigas brancas e a minoria escura em uma das maiores universidades do Brasil. Para tentar se adequar, começou a alisar o cabelo com 12 anos, evitava fazer da sua cor um assunto e sempre adaptou a aparência aos espaços que frequentava. Aos poucos, mudou o comportamento e passou a enxergar o mundo com outros olhos. Por causa deste novo ponto de vista, se tornou uma das primeiras pessoas negras a fazer mestrado em uma importante instituição de ensino na Argentina.

O caminho até sair da casa dos pais para se tornar estudante em um país onde apenas de 4% a 6% da população é negra começou no período em que cursou publicidade na Universidade de Brasília. "Sempre tive a autoestima elevada. Sou uma pessoa forte e expansiva, mas meu cabelo não condizia com a minha personalidade. Lembro claramente do momento em que, enquanto esperava uma aula começar, via meninas passando por mim com cabelo natural. Pensei que meu visual tinha que mudar para combinar mais comigo", relembra.

Sophia começou um procedimento de transição capilar que duraria quase um ano e resultaria em uma aparência da qual ela nem se lembrava mais. Neste período, por causa da internet, conheceu dezenas de pessoas que passavam pelo mesmo processo e iniciou uma jornada de autodescoberta. 

"As revistas adolescentes da minha época só falavam de penteados para cabelos lisos. Quando descobri que tinha milhares de pessoas iguais a mim, entendi que é um problema estrutural. Quase todas as mulheres negras são impelidas a fazerem parte deste movimento. Por isso é importante a questão da representatividade para perceber que você não está sozinha", aponta.

A mudança estética passou a moldar a forma como ela enxergava o mundo. Tornou-se pesquisadora do tema e desenvolveu o projeto Raízes, em que fotografou mulheres negras simbolizadas como deusas e rainhas, explorando o papel do cabelo na construção da identidade. A repercussão da iniciativa foi maior do que a publicitária esperava. Além de ganhar destaque em diversas galerias de Brasília, Sophia recebeu um convite para realizar uma exposição em Berlim, na Alemanha, onde o trabalho inspirou uma discussão sobre empoderamento feminino.

Por causa da viagem à Europa, ela decidiu que queria viver conhecendo novas culturas. Decidida a continuar o estudo iniciado na graduação, passou a buscar um mestrado onde pudesse abordar a questão racial. Conheceu a Universidad Nacional de San Martín por intermédio de um amigo e fez a segunda etapa do processo seletivo enquanto realizava um trabalho voluntário com crianças de Moçambique, na África.

Brasileira conta como é ser uma das únicas negras em mestrado na Argentina / Imagem: Arquivo Pessoal

Ela comenta que um dos motivos para ter sido aceita foi justamente ser negra e ter afirmado que iria incentivar a discussão racial no ambiente acadêmico. "Você não vê pessoas da minha cor por aqui. Tanto é que, mesmo cursando um mestrado de Direitos Humanos, serei a única a estudar esta temática", comenta.

Vivendo em Buenos Aires, Sophia sente que os outros ainda estão aprendendo a conviver com ela. "Quando alguém quer dizer que algo está bagunçado, fala que é um quilombo. Mas depois que expliquei para eles porque isso é ofensivo, mudaram de atitude", conta. "Sempre que falo de temáticas raciais, todos buscam me escutar para aprender. Costumo ser vista como exótica, mas nunca senti preconceito", complementa. Ela brinca que atualmente o maior problema que enfrenta na adaptação à cidade é o idioma.

O período do mestrado deve demorar cerca de um ano. Além de não ter colegas da sua cor na cidade, Sophia também lamenta que nenhum dos professores é negro, mas afirma que está preparada para as adversidades. "Novamente, sou a única pessoa diferente e que não se vê representada nos lugares que frequento. Manter-me forte e com a autoestima elevada nestes ambientes é um grande desafio, mas estou superando, como sempre fiz", comemora.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: