No Dia Internacional da Educação, conheça a trajetória do Prêmio Educar para equidade racial e de gênero

Autor: Redação CEERT Data da postagem: 19:00 29/04/2019 Visualizacões: 1173
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
No Dia Internacional da Educação, conheça a trajetória do Prêmio Educar para equidade racial e de gênero / Foto: Prêmio Educar - CEERT

O Projeto Educar para a Igualdade Racial e de Gênero faz parte do Programa de Educação do CEERT, sendo promovido juntamente com instituições parceiras.

O Projeto surge para atender uma expectativa de mapeamento das práticas escolares voltadas para o tratamento da temática étnico-racial. Sua primeira edição ocorreu no ano de 2002, com o objetivo de identificar, difundir, reconhecer e apoiar práticas pedagógicas e de gestão escolar, vinculadas à temática étnico-racial, na perspectiva da garantia de uma educação de qualidade para todas e todos e, mais especificamente, de combate ao racismo e de valorização da diversidade étnico-racial.

Ao longo dos últimos doze anos e de seis edições, o Projeto Educar para a Igualdade Racial constituiu um acervo de quase 3.000 mil práticas escolares voltadas à promoção da igualdade étnico-racial. Desse acervo constam práticas desenvolvidas nas cinco regiões administrativas do país e em cada um dos 27 estados da federação.

Em sua 7ª edição, o ‘Educar para a Igualdade Racial e de Gênero’ recebeu 643 inscrições de 24 estados brasileiros. Ao todo 14 professores/as foram premiados/as. Esse grupo é composto por educadoras e gestoras negras que, envolvendo seus pares de diferentes disciplinas, protagonizaram ricas experiências de promoção da igualdade racial em todos os níveis da educação básica.

O CEERT resolveu dar um passo importante para auxiliar na visibilidade da educação escolar quilombola ao incorporá-la na 7ª edição do Projeto Educar para a Igualdade Racial e de Gênero. A equipe entendeu que esse seria o caminho natural de amadurecimento do Projeto Educar ao enxergar a educação de qualidade como um elemento estruturador da resistência quilombola.

CEERT na Educação: Desde 1995 atuando pela promoção da equidade racial nas escolas, com programas de formação e valorização de boas práticas pedagógicas e de gestão. Seja um apoiador dessa luta!

Histórico do Projeto Educar para a Igualdade Racial e de Gênero

O Projeto ‘Educar para a Igualdade Racial e de Gênero: experiências de promoção da igualdade étnico-racial em ambiente escolar’, é reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) como uma das principais ações de promoção da igualdade étnico-racial na educação, realizada por uma instituição da sociedade civil.

Desde 2002, ano de sua primeira edição, o Educar para a Igualdade Racial e de Gênero, assumiu uma condição bastante singular de congregação de professores/as ávidos em trocar experiências e conhecimentos acerca de suas práticas. Está circunscrito na agenda das ações educativas do país. A abertura de inscrições a cada dois anos é aguardada com entusiasmo por educadores/as das cinco regiões brasileiras.

De acordo com esses/as educadores/as a expectativa não é motivada apenas pelo Projeto oferecido, mas principalmente, pela oportunidade de tomar contato e apresentar para um público amplo de educadores/as e especialistas, as metodologias e os resultados de práticas escolares pedagógicas e de gestão.

Até a terceira edição (2006), a premiação contemplava apenas professores/as, e, a partir da quarta, passa também a contemplar a gestão de escola. Essa inovação foi introduzida porque a maioria dos/as professores/as entrevistados/as , embora identificassem vários impactos positivos do Projeto em suas vidas, tais como: maior visibilidade de suas ações, exposição positiva da escola em meios de comunicação e junto às próprias secretarias de educação, além do interesse em ingressar em pós-graduações, e dos impactos positivos de suas práticas na escola, tais como: melhoria do desempenho escolar; redução da evasão e ausências; maior respeito nas relações interpessoais; melhor relação da escola com mães e pais, entre outros, também identificavam aspectos negativos.

O Projeto está agora em sua 7ª edição e mantém seus objetivos iniciais de identificar, difundir, reconhecer e apoiar boas práticas pedagógicas e de gestão escolar alinhadas com a garantia de uma educação de qualidade para todas e todos e, com a promoção, reconhecimento e valorização da diversidade étnico-racial e de gênero.

Nesta edição foram mantidas as premiações divididas em categorias: Categoria Professor, destinada a práticas pedagógicas realizadas por professores/as; e Categoria Escola, destinada a escolas que realizem boas ações de gestão escolar que contribuam para a implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica.

As inovações ficam por conta da incorporação de gênero, agora “Educar para Igualdade Racial e de Gênero: experiências de promoção da igualdade em ambiente escolar”. Esta inovação abriu caminho para a inscrição de práticas pedagógicas que abordem a temática de gênero interseccionada a raça e etnia, como subcategoria da Categoria Professor.

Outra novidade diz respeito a criação de dois processos de inscrição no mesmo Projeto. Um definido como Universal e outro como Afirmativo. O primeiro visa assegurar a continuidade histórica do Educar para Igualdade premiando todas as etapas e modalidades da educação básica. E o segundo que busca conhecer um pouco mais sobre o fazer pedagógico e de gestão realizados por professores/as e gestores/as atuantes na modalidade Educação Escolar Quilombola. Objetiva-se fortalecer e difundir junto às escolas e seus profissionais, as orientações contidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Escolar Quilombola que visam assegurar uma educação de e com qualidade para a população quilombola de todo país.

Gente Que Transforma a Educação - Experiências de Equidade Racial e de Gênero: revisitamos 10 escolas que passaram pelo Prêmio. Confira 9 vídeos sobre essa iniciativa:

Minha comunidade minha história: Conhecer sua cultura é se autoconhecer, se identificar com sua origem e sua história.

Educando crianças pequenas para valorização da diversidade: A prática "Educando crianças pequenas para valorização da diversidade", utilizou da arte africana e afro-brasileira para destacar a visibilidade e a valorização da identidade da criança negra.

Etnomatemática - Jogos Milenares da África: Você conhece a etnomatemática? Confira o projeto de Odalícia Conceição, professora de matemática de Ananindeua (PA), que promove solidariedade e respeito entre os estudantes e ainda valoriza a cultura africana no espaço escolar!

Projeto de Fortalecimento da Identidade Cultural Local: Debatendo questões étnico-raciais e de gênero com estudantes e a comunidade de Ibirapitanga - BA, promovendo o acolhimento entre os jovens e combatendo a evasão escolar. Saiba mais sobre essa iniciativa que ultrapassa os muros da escola.

Projeto “Azizi Abayomi – Um Príncipe Africano": Escola promove espaços formativos com professores, famílias e crianças para a equidade racial na primeira infância. Conheça o projeto Azizi Abayomi, idealizado pela EMEI Nelson Mandela em São Paulo (SP).

Valorização da história e cultura afro-brasileira e africana: Liberdade de crença deve ser um direito garantido. Conheça a iniciativa da Escola Florestan Fernandes que, por meio de construções coletivas entre escola e comunidade, promove a diversidade religiosa em Belo Horizonte (MG).

Cidadania, Memorias e tradições Afro descendentes: Promover o empoderamento e o protagonismo juvenil nas escolas é de extrema importância para que a juventude se sinta pertencente a esse espaço. Conheça o projeto da Escola de Franca (SP), que mobiliza alunos debatendo sobre diversidade, diferenças e questões raciais.

Projeto em escola de SP promove a inclusão social e o respeito entre os estudantes: Promover o respeito e a diversidade cultural nas escolas, é estimular estudantes a se empoderarem, se identificarem e se sentirem inseridos naquele espaço. Conheça o projeto da escola localizada em Osasco - SP, que envolve os jovens e a comunidade em conteúdos que debatem questões de preconceito e desigualdade.

O resgate e a articulação de culturas quilombolas através da educação, fortalece a autoestima e a identidade de crianças: Conheça o projeto da escola do Quilombo de Catuca, que é referência em educação emancipadora para o combate de desigualdades.

Acervo de Práticas Escolares: educar para igualdade

O acervo Educar para Igualdade Racial, reflete a diversidade étnico-racial existente no país, apresentando práticas pedagógicas que abordam a África, africanos e afro-brasileiros, mas também sobre povos e nações indígenas, ciganos, japoneses, populações quilombolas, população migrante e de outros grupos étnico-raciais.

Dessas experiências, 203 foram consideradas “cases”, ou seja, boas práticas de promoção da igualdade racial em ambiente escolar. Acrescente-se a esse trabalho realizado diretamente pelo professor o fato de que, nas duas últimas edições, o CEERT acompanhou o desenvolvimento de ações em escolas, ao longo do ano, realizando diagnósticos (documentos da escola, ambiente físico, participação da comunidade etc.), com vistas a definir os passos de institucionalização4 das práticas de promoção da igualdade em ambiente escolar.

Do acúmulo proveniente das sete edições do Projeto Educar para a Igualdade Racial, alguns produtos e eventos surgiram como resultados:

  • 9 publicações ilustradas (catálogos, livros, revistas), que atingiram aproximadamente 52.000 educadores/as de todo o país.
  • 20 seminários regionais, realizados com professores e gestores, envolvendo diretamente 7.500 educadores, bem como acadêmicos e integrantes de movimento sociais;
  • 12 vídeos de 15 minutos cada, com experiências de todas as regiões do país, no bloco Professor Nota 10, do projeto A cor da Cultura, do Canal Futura;
  • 2 séries do programa televisivo Salto para o Futuro, da TVE do Rio de Janeiro;
  • 40.000 reproduções de DVD´s, referentes à educação, com os seguintes temas: Experiências de Aprendizagem; Gestão e Famílias; Organização dos Espaços e Materiais; O Professor em Ação;
  • 4 programas televisivos no Canal Futura;

Recomendamos algumas das nossas melhores publicações no campo da Educação para estudo e análise. Confira:

Cadernos de Pesquisa: Raça Negra e Educação

Editora: Fundação Carlos Chagas

Autor: Fundação Carlos Chagas

Publicado: 1987

Práticas Pedagógicas para a Igualdade Racial na Educação Infantil

Editora: CEERT

Autor: Ceert

Publicado: 2011

Núbia – Rumo ao Egito

Editora: FTD

Autor: CEERT

Publicado: 2008

Práticas em Educação Infantil na cidade de São Paulo: Prêmio Educar para a Igualdade Racial

Editora: CEERT

Autor: Maria Aparecida Silva Bento

Publicado: 2013

A Educação Básica e o Estudo do Prêmio Educar para a Igualdade Racial: Perspectivas e desafios da cidade de São Paulo

Editora: CEERT

Autor: Maria Aparecida Silva Bento

Publicado: 2013

Revista Educação Infantil e práticas promotoras de igualdade racial

Editora: ceert

Autor: ceert

Publicado: 2011

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: