Chamada Pública: ReIntegrar com equidade de raça e gênero para egressos do sistema carcerário ACESSAR

Especial Dia do/a Professor/a: o papel fundamental do/a professor/a na luta antirracista

Autor: Bruna Ribeiro Data da postagem: 13:00 15/10/2021 Visualizacões: 595
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
O papel fundamental do/a professor/a na luta antirracista/Imagem: DepositPhotos

Quais são as principais alegrias e os principais desafios da carreira das professoras e dos professores brasileiros? E qual é a importância da promoção da educação antirracista? Fizemos essas perguntas a quatro educadores participantes do Edital Equidade Racial na Educação Básica, que tem como propósito fortalecer coletivos de pesquisa nessa temática e mapear oportunidades estratégicas de atuação.

O Edital é uma iniciativa  do Itaú Social com realização do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), em parceria com o Instituto Unibanco, a Fundação Tide Setubal e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Conheça abaixo um pouco mais sobre os projetos e professores representantes de cada etapa de ensino: Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II e Ensino Médio:

Professora Neli Edite dos Santos - Educação Infantil

“Ingressei no magistério com 18 anos de idade. Hoje, passados 38 anos, posso dizer que tenho marcas inscritas em mim por engajamentos, curiosidades, inquietações, estudos, parcerias, comprometimentos políticos, indignações, descobertas, somas, sonhos e transgressões poéticas. Em cada escola onde trabalhei, transpus muros, arrisquei. Semeei desobediências inventivas entre estudantes, famílias, comunidade e com colegas que toparam riscos.

Desde os primeiros anos de atuação como alfabetizadora, passando pelas redes públicas estadual e municipal, até ingressar no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Uberlândia, em 2010, tenho sido inquieta, afetada por aquilo que tem me constituído e atravessado. Cada escola tem seu jeito, seu ritmo, suas riquezas, suas dificuldades, suas mazelas e potencialidades. Em cada uma delas, afetei e fui afetada pelos coletivos: colegas, estudantes, famílias e vizinhança. Em cada uma delas, busquei parcerias e encontrei conflitos produtivos e improdutivos. Muitas geraram bons afetos e frutos. Algumas deram em nada. Outras, dissabores e amarguras. Por isso, talvez, minha principal alegria em continuar sendo professora é a disposição para arriscar, principalmente quando o risco se confunde com travessura, travessias e atravessamentos.

O papel de professores e professoras no enfrentamento ao racismo depende de vários elementos. Posso citar, por exemplo, seu reconhecimento étnico-racial, de gênero e classe. Para enfrentar o racismo e contribuir para uma educação antirracista, professores brancos precisam enfrentar o espelho, a historicidade da branquitude em suas relações desumanizadas e desumanizantes com povos não brancos: negros, indígenas, indianos, ciganos – entre outros.

Se for uma pessoa negra e se for uma pessoa que pretende contribuir com a justiça, com a igualdade de fato, com a democracia, ela poderá ser atravessada pelo reconhecimento da sua condição de negritude e somará, assim, no enfrentamento ao racismo. Uso o termo poderá, e não deverá.  Isso porque, ao reconhecer-se e, mais ainda, assumir-se negra, a pessoa é arremetida ao confronto com uma sociedade forjada e mantida pelo racismo estrutural. Conhecer-se nessa arquitetura pode ser vivido como algo extremamente pesado, sufocante e, a depender das circunstâncias, fatal. 

É comum a expectativa de que pessoas negras se posicionem em relação ao racismo, denunciando-o, falando sobre ele, tendo-o como objeto de estudo. É comum também que pessoas não negras, não indígenas, não indianas, não ciganas (entre outros povos não brancos) considerem exageradas as denúncias de racismo, sobretudo quando são praticantes dele (em geral, sem intenção de ofender).

Com essa breve reflexão, quero dizer que o papel do(a) professor(a) no enfrentamento ao racismo depende de vários elementos. A começar pela relação que ele/a tenha com sua imagem nos espelhos da sua história, da história de seu país e da história da humanidade”.

A professora Neli Edite dos Santos é coordenadora geral do projeto ‘Construindo uma escola antirracista: ingresso e permanência de cotistas na educação básica’, realizado na Escola de Educação Básica, um colégio de aplicação da Universidade Federal de Uberlândia, que oferece Educação Infantil, Ensino Fundamental Regular e na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. 

Givânia Maria da Silva - Ensino Fundamental I

A lista dos desafios de ser professor é grande, principalmente em uma sociedade marcada pelo racismo e por um ensino que deixa tantas lacunas na nossa formação inicial. A formação continuada também não dá conta de nos ajudar a superar determinados déficits. No caso das comunidades quilombolas, as novas tecnologias também se tornaram desafios, pois são desconhecidas por muitas pessoas. 

Precisamos lidar com estruturas tão hierarquizadas dos estados e municípios, onde os gestores não pautam a questão racial como fundamental e a gente sabe o quanto isso é importante. Muitos quilombos não têm acesso à internet. Falta investimento na compra de equipamentos, na formação dos profissionais e nas escolas quilombolas. Tudo isso prejudica o trabalho do professor e a aprendizagem dos alunos.

Mas temos também as nossas alegrias. Sabemos que nada será feito sem nós. Somos peças fundamentais no processo educacional. Mesmo com a tecnologia,  o professor ainda é uma peça muito importante e nunca vai deixar de ser. Precisamos avançar e construir comunidades de aprendizados. 

Também sentimos profunda alegria quando vemos que inspiramos outras pessoas. Somos um instrumento da luta e da resistência para uma educação antirracista. Por isso seremos sempre um instrumento de transformação e emancipação, apesar do modelo social. Devemos ocupar o lugar de instrumento e ferramenta da luta antirracista, seja na sala de aula ou no cotidiano.”

A professora Givânia é coordenadora do projeto Quilimbos e Educação: Políticas Públicas e Práticas Pedagógicas, com foco na análise dos dados do Censo do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira para identificar os desafios da educação quilombola enfrenta e em estudos de casos em duas comunidades quilombolas: Povoado de Mesquita, em Cidade Ocidental (GO) e Quilombo de Conceição das Crioulas, em Salgueiro (PE).

Erisvaldo Pereira dos Santos - Ensino Fundamental II

“O principal desafio de ser professor está relacionado com o lugar social da profissão docente em nossa sociedade. Embora todos as outras profissões dependam do trabalho docente, há uma falta de compromisso político com a valorização desse profissional em nossa sociedade em termos de remuneração. A principal alegria de ser professor é a de saber que sem o seu trabalho as transformações no mundo em prol da justiça social e do bem-estar não acontecerão. Mesmo porque, todo(a) professor(a) está investido de uma autoridade comprometida com o curso do mundo na ordem do bem viver social. Por isso Paulo Freire afirma que educar é uma prática política.

O desafio principal do (a) professor (a) diante do enfrentamento ao racismo é o de não naturalizar esse fenômeno que estrutura nossas relações sociais. Ao naturalizar o racismo, o(a) professor(a) contribui para que não haja mudanças nas relações sociais e raciais. Para não cair na armadilha da naturalização, seu trabalho docente carece, portanto, de uma sólida formação teórica e de uma postura ética de acolhimento e valorização da alteridade.

A partir daí, ele(a) não enfrentará apenas o racismo, sendo uma pessoa antirracista, mas também enfrentará todas as mazelas que envolvem os sujeitos subalternizados e discriminados. A interseccionalidade entre raça, gênero e classe é a base que organiza essa prática. Dessa maneira, o (a) docente contribuirá para a formação de um sujeito autônomo, crítico e ético.”

Erisvaldo é coordenador do projeto Epistemologias Antirracistas e Projeto Político Pedagógico: Uma Pesquisa Aplicada no Âmbito da Secretaria de Educação de Contagem (MG). O objetivo do projeto foi oferecer aportes epistemológicos do feminismo negro e antirracista, afim de contribuir para a reflexão sobre a fundamentação de Projetos Políticos Pedagógicos (PPP’s), na perspectiva das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. 

Gerson Alves dos Santos - Ensino Médio

O grande desafio de ser professor é atuar em um ambiente cada vez mais precarizado e deixado de lado pelas políticas públicas. O tempo todo enfrentamos uma realidade desestimuladora e que acaba por consumir nossas esperanças e anseios quanto ao desejo de construir uma educação de fato transformadora. 

Gestores e colegas professores, em grande medida não se preocupam ou desconhecem a importância da autonomia no processo de ensino. Algo que cria um ambiente pouco politizado e pouco aberto a pautas que vão além de um conjunto de ações e entendimento, preso a institucionalização burocratizada. 

Já a grande alegria é ouvir os alunos e suas experiências transformadoras no ambiente escolar. É saber que alguns transformam sua realidade a partir do que discutimos em sala. Isso reforça a esperança e refloresta a crença na educação como um espaço de transformação de uma realidade tão adversa.

Penso que o professor tem que ser protagonista, principalmente nesse contexto político em que estamos vivendo. As políticas que garantem o ensino da história, cultura afro-brasileira e indígena é uma realidade do ponto de vista institucional, mas, ainda está longe do ideal quando se pensa o ambiente escolar e um conjunto de práticas cotidianas que viabilizem um ensino antirracista. 

Temos de sair do plano institucional, isto é, da data enquanto momento folclórico e por vezes romantizado. Algo muito comum entre nós brasileiros, sociedade em que a lei por vezes acaba em si mesmo e não se transforma em realidade cotidiana. No caso, o professor, sabedor dessa realidade, precisa se colocar enquanto agente transformador, alguém capaz de questionar e instigar no ambiente escolar a discussão sobre o racismo brasileiro e seu caráter estrutural. Alguém capaz de ser protagonista nesse processo de questionamento das subjetividades reprodutoras desse racismo estrutural que tende a desumanizar a população negra.”

Gerson é coordenador do projeto “O quilombo na escola: práticas pedagógicas, identidade étnica e ancestralidade”, que tem como objetivo atuar na formação de professores das escolas estaduais (Ensino Fundamental e Médio) de uma comunidade quilombola na cidade de Moreilândia, Estado do Tocantins. 

A ideia é que a história da comunidade possa fazer parte do currículo de modo a ser incorporada na realidade dessas escolas, fazendo com que a realidades dos quilombolas e dos moradores da cidade possam fazer parte do cotidiano escolar, potencializando, assim, uma educação inclusiva e antirracista.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: