Oficina apresenta resultados dos projetos do Edital Equidade Racial na Educação Básica, realizado pelo CEERT. Saiba como foi!

Autor: Bruna Ribeiro Data da postagem: 08:00 01/02/2022 Visualizacões: 530
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Oficina apresenta resultados dos projetos do Edital Equidade Racial na Educação Básica, realizado pelo CEERT/Imagem: CEERT

O ano de 2022 começou com uma emocionante apresentação dos resultados parciais da segunda etapa do Edital Equidade Racial na Educação Básica: Pesquisa Aplicada e Artigo Científico. Uma oficina realizada nos dias 19 e 20 de janeiro reuniu 30 pesquisadores e a supervisão e o Comitê Gestor do CEERT. Em vídeos, os participantes relataram a experiência de desenvolverem pesquisas e iniciativas em suas escolas até o momento.

O Edital conta com 15 projetos de pesquisas aplicadas contemplados, distribuídos nas diferentes etapas da educação básica nas 5 regiões do país, sendo 12 deles desenvolvidos por mulheres e 5 atuando na temática quilombola. 

“Foi o segundo encontro de pensadores antirracistas, que iniciaram a execução de suas pesquisas no auge da segunda onda da pandemia do coronavírus, em novembro de 2020. Esses pesquisadores enfrentaram, nos 12 primeiros meses, o maior apagão na Educação da nossa história recente, com 99,3% de escolas fechadas, segundo dados do INEP, de 2020”, diz a Dra. Maria das Graças Gonçalves, consultora do CEERT e  Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Desafios

Ainda segundo a Dra. Maria das Graças, os pesquisadores precisaram refletir, se reinventar, adaptar e redimensionar planos e cronogramas. Isso porque paralelamente ao fechamento das escolas básicas, a comunidade científica da área de humanidades viu seus projetos congelarem e os fomentos para estudos e pesquisas minguarem, prejudicando o andamento das pesquisas.

“Nesse contexto, o trabalho apresentado a partir do Edital surge com uma importância política enorme. Conseguimos agregar em torno do CEERT um conjunto de pesquisadores de ponta da área de estudos sobre a equidade racial na educação, nomes de referência acadêmica no cenário nacional, e temos certeza que esse momento se tornará histórico para a afirmação de uma agenda mais robusta de fortalecimento da implementação da educação democrática afirmativa, antirracista, com equidade racial e de gênero”, afirma a professora.

Resultados

As principais atividades desenvolvidas na segunda fase foram: finalização de relatórios de iniciação científica; participação em congresso internacional; participação em oficinas de escrita acadêmica para a submissão de trabalhos em eventos acadêmicos e produção de um e-book; elaboração de palestra, oficina, roda de conversa e contação de histórias com famílias; levantamento bibliográfico; mobilização de uma marcha virtual; construção de um seminário e organização do catálogo de jogos e brincadeiras.

O conhecimento gerado em todo o processo - como o estudo de dados e produção de epistemologias e ferramentas metodológicas com perspectivas afro-diaspóricas decoloniais, focados na escuta e vivências afirmativas na escola para crianças e jovens negros/as - será socializado em forma de livros, cartilhas, catálogos, vídeos, imagens, entre outros. Todas as equipes finalizarão a pesquisa com algum desses produtos.

Segundo a gestora do projeto, Angela Mello, como os projetos acontecem pelo Brasil todo e possuem singularidades locais, momentos como esses tornam a troca mais fluida e rica, pois as iniciativas são muito potentes e com ampla capacidade de inspiração, além de proporcionarem o fortalecimento do grupo.

“Tem sido muito inspirador ver como os participantes estão encontrando alternativas e traçando estratégias para executarem os projetos com tanta qualidade, apesar da situação de pandemia. Com os resultados parciais, já observamos trabalhos belíssimos e potentes. Com certeza, na conclusão, teremos também muito subsídio para ajudar outras pessoas a desenvolverem práticas antirracistas.”

Para Mario Rogério, diretor do CEERT, os resultados apresentados são arrojados e estão surpreendendo a cada encontro. “A construção de indicadores e bases de dados educacionais que avançam em diferentes projetos - em especial no tema quilombola - irão instrumentalizar a compreensão e enfrentamento das desigualdades educacionais”, diz o diretor.

Racismo e pandemia

De acordo com a Dra. Maria das Graças Gonçalves, o racismo é um sistema estruturante que fundamenta a existência e a permanência das desigualdades evitáveis e injustas impostas à população negra. 

“Funcionando como um modelo de sistema colonialista e estruturalmente racista, a educação formal tem dificuldades em acolher os interesses, culturas e linguagens de todos e reproduz o racismo no currículo, nas práticas e nas relações interpessoais, tornando-se ferramenta para perpetuar as desigualdades e a vulnerabilidade social das pessoas negras”, conta a professora.

A pandemia do coronavírus agravou a situação, ainda segundo a Dra. Maria das Graças, pois os/as estudantes negros/as possuem menos acesso a computadores e internet, tendo mais dificuldades para acompanhar as atividades remotas realizadas pelas escolas nesse período e seguir aprendendo.

“No decorrer desse processo, os pesquisadores e as pesquisadoras do Edital criaram estratégias potentes para desenvolver, até aqui, um trabalho excepcional”, conclui. 

Sobre o Edital

O Edital Equidade Racial na Educação Básica: Pesquisa Aplicada e Artigo Científico tem como objetivo identificar e apoiar pesquisas aplicadas, bem como selecionar artigos que apontem soluções para os desafios da construção da equidade racial na Educação Básica no Brasil. 

Com o propósito de fortalecer coletivos de pesquisa nessa temática e mapear oportunidades estratégicas de atuação, o fomento é uma iniciativa do Itaú Social com realização do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT) e parceria do Instituto Unibanco, da Fundação Tide Setubal e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Vídeos dos pesquisadores

Para conhecer mais sobre as pesquisas, confira os vídeos realizados pelos pesquisadores nos links abaixos, divididas por etapas de ensino:

Educação Infantil 

 

 

 

Ensino Fundamental I 

 

 

 

 

Ensino Fundamental II 

 

 

 

 

Ensino Médio 

 

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: