Programa Prosseguir 2ª Edição

conheça

Vítima de piada racista, ginasta fala sobre Arthur Nory: “Que seja medalhista fora do tablado”

Autor: Redação Revista Fórum Data da postagem: 13:00 16/08/2016 Visualizacões: 2399
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:

O ginasta Ângelo Assumpção, que foi vítima de piadas racistas feitas pelo outro ginasta brasileiro, Arthur Nory, medalhista de bronze dos Jogos Olímpicos de 2016, mandou um recado para seu colega

O ginasta Ângelo Assumpção, que foi vítima de piadas racistas feitas pelo outro ginasta brasileiro,Arthur Nory, medalhista de bronze dos Jogos Olímpicos de 2016, mandou um recado para seu colega: “Agora eu espero que ele seja um medalhista também fora do tablado”

“Não tenho mágoas, de verdade. Inclusive somos muito próximos. Torci muito por ele. Tenho muito orgulho do Nory. Agora eu espero que ele seja um medalhista também fora do tablado. Admiro muito quem conquista um pódio na Olimpíada, mas gosto mais ainda de quem consegue brilhar também fora das competições. Somos atletas e temos que aproveitar o espaço que temos para dar recados e exemplos”, disse em entrevista ao portal UOL.

Nory havia, em 2015, postado nas redes sociais um vídeo em que, junto com outros atletas, fazia piadas de cunho racista, se referindo ao colega negro.

Quando é relembrado do episódio de racismo de 2015, Ângelo Assumpção disse que não guarda mágoa do que aconteceu. “Mas não tenho mágoa do que passou. Já ficou lá atrás. Hoje só tenho orgulho do que ele fez. Admiro muito. Somos próximos. Me espelho nele e no Diego. Eu também queria muito estar lá, mas não deu”, contou.

Depois de ganhar a medalha, Nory comentou o caso e disse que está arrependido e que perdeu patrocínio por conta do episódio.

“Todos cometem erros. Eu cometi, mas realmente me arrependi. Sofri muito e me arrependo até hoje, porque estou sem patrocínio, nada. Foi uma fatalidade, o perdão do meu amigo eu já tive. Mesmo sem patrocinador, vim para dar o meu melhor. Vim para fazer o que sonhei a vida inteira, com o que amo. Agora, é comemorar com as pessoas que estão do meu lado, e acreditaram em mim desde o começo”, disse ele ao jornal Extra.

Leia também:

Um racista brasileiro e a nova sensação da ginastica olímpica Norte americana…

Mulheres dão a melhor resposta ao racismo em shopping de SP

Heroína gordinha? Mulheres e negros conquistam espaço nas HQs nacionais

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: