Chamada Pública: ReIntegrar com equidade de raça e gênero para egressos do sistema carcerário ACESSAR

Diretor de entidade contra o racismo diz: ‘Atletas têm força para se manifestar’

Autor: Felipe Silva Data da postagem: 12:00 31/12/2020 Visualizacões: 229
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Diretor de entidade contra o racismo diz: ‘Atletas têm força para se manifestar’/ Imagem: Reprodução

Marcelo Carvalho falou sobre a atitude dos jogadores na partida entre PSG e Basaksehir.

Há uma semana o mundo do futebol parou. Um caso de racismo protagonizado pelo quarto árbitro da partida entre PSG e Basaksehir , o romeno Sebastian Col?escu, viralizou gerando muita indignação e revolta com a situação. Diversas pessoas usaram suas redes sociais para se manifestar e mostrar seu apoio à luta antirracista.

O diretor do Observatório de Discriminação Racial no Futebol, Marcelo Carvalho , enalteceu a atitude dos atletas das equipes  de se retirar de campo após o quarto árbitro ter sido racista com o membro da comissão do Basaksehir, Pierre Webó, ex-jogador com passagens por clubes da Europa. Segundo Carvalho, todos os jogadores entenderam a situação, e isso é muito importante para o movimento.

- O ato dos atletas de Paris Saint Germain e Instanbul foi louvável, porque o que se pede na luta antirracista é que todos os jogadores, brancos e negros, entendam a situação e saiam de campo, e foi isso que aconteceu. Com esse tipo de ação, eles mostram para a sociedade que a luta por respeito é mais importante do que a bola em campo – comenta Carvalho.

O caso de racismo que ocorreu terça-feira passada não foi isolado. Jogadores brasileiros que já atuaram na Europa como Daniel Alves, Hulk e Roberto Carlos já passaram por esse tipo de situação e, nas ocasiões, as medidas tomadas por entidades futebolísticas não foram drásticas, dando margem para mais casos continuarem aparecendo. Carvalho falou sobre as medidas tomadas pelos clubes nessa ocasião em específico, e a expectativa de mudança para possíveis casos futuros.

- O que fica desse ato é a coragem dos atletas em sair de campo e a não punição por parte da UEFA e dos clubes para quem desafiou o sistema. Talvez isso seja o recado mais importante, porque fica para os outros atletas que eles também podem se manifestar. Não sabemos se todo ato de racismo terá esse tipo de procedimento a partir de agora, mas temos uma certeza, os jogadores têm força e perceberam isso.

Diversas personalidades do mundo do esporte se pronunciaram sobre o caso. Por terem notoriedade e voz para alcançarem grandes proporções com as suas falas, muito se cobra de pessoas desse porte uma posição em meio à essa luta. Carvalho ressaltou a importância dessas figuras estarem presentes.

- O esporte produz ídolos, e essas personalidades têm grande influência na sociedade principalmente no público mais novo. O posicionamento desses atletas é importante porque passa um recado à sociedade do que é tolerável e do que não é. A criança que vê seu ídolo se posicionado contra o racismo percebe que aquilo é algo deplorável. E o recado para sociedade geral é mostrar que a luta antirracista é uma luta de todos – finaliza.

Relembre o caso

Na terça-feira passada, 8, os times do Paris Saint Germain e Basaksehir retiraram as suas equipes de campo, em jogo pela Champions League, após uma acusação de racismo por parte do quarto árbitro da partida,  o romeno Sebastian Col?escu. Minutos depois das equipes terem saído de campo, a partida foi suspensa e adiada para o dia seguinte.

Após o lamentavél episódio, os jogadores das duas equipes voltaram a campo no dia seguinte para dar continuidade ao jogo. E antes da partida começar, atletas dos dois times entraram em campo com uma camisa escrito "não ao racismo".

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: