‘O mundo da moda é cruel e elitista’

Autor: Carmen Lúcia Data da postagem: 12:00 15/08/2016 Visualizacões: 1008
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:

Uma mulher negra no mundo da moda. Criando suas próprias roupas desde os 14 anos e hoje, aos 33, já é dona de uma marca, a OBI Acessórios. Nela, Rosa Maria David produz diversos acessórios em uma linha voltada para moda sustentável. Mas essa divante nascida em Coelho Neto, subúrbio do Rio, e criada na comunidade do Antares, em Santa Cruz, quer mais, muito mais.

“O meu sonho é conquistar reconhecimento com minha marca de acessórios, pra que eu possa finalmente deixar de trabalhar com unhas e viver da minha arte que é a moda sustentável e diferenciada”, diz Rosa.

Mas, a realidade não tem sido fácil. Cursando moda na faculdade Estácio de Sá, unidade da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, Rosa conta as dificuldades que enfrenta por ser uma mulher negra e de origem humilde buscando espaço no universo da moda. “Tenho que lidar com os olhares de estranhamento. O mundo da moda é cruel e elitista, até nas salas de aula ouvimos de alguns professores que temos que ter “cara da moda, cara de rico”, ou seja, estar dentro do padrão eurocêntrico que é loira de olhos verdes, alta e magra. Quando alguém está fora deste padrão, fica fora dos backstages e das escolhas para representar a faculdade em eventos”.

Outro problema para a afroempreendedora é ver o número de alunos negros na instituição. “Na minha turma tem mais duas alunas negras e no curso de moda inteiro que tem cerca de 500 alunos, nós não passamos de 50”. Mas ela segue em frente. “Uso esse fator para me motivar. Não tem incentivo melhor para uma mulher negra do que alguém duvidar da sua capacidade. E em um meio onde somos tão poucas, em dois períodos, eu já me destaquei e mostrei o meu valor, fiz projetos que outros não conseguiram e quem duvidou de mim, hoje se surpreende.

Sobre a OBI Acessórios, a marca já existe há anos. E está crescendo. “Nasceu primeiramente dentro do meu coração lá na minha adolescência, quando eu comecei com bolsinhas de perna de calça e depois passei a fazer algumas bijuterias simples pra ganhar um dinheirinho. Em resumo, faço acessórios há mais de 15 anos”.

No entanto, a grande virada veio quando a carioca se reaproximou de suas raízes. “Depois que eu me reconectei com a minha negritude e assumi meus cabelos crespos, eu senti vontade de dar uma cara mais afro pra marca e investir pesado nela. A ideia é acrescentar roupas e outras peças para que ela se torne uma marca de moda étnica de vários países ocidentais, mas com o foco africano”, conta Rosa que ainda acrescenta: “O grande diferencial dessas peças é a inovação. Eu gosto de criar produtos diferentes e faço reciclagem de garrafa pet e sobras de materiais que iriam para o lixo, porém nada tem cara de reciclado. Há uma  preocupação com o acabamento e a beleza única das peças”

Ficou curiosa? Quer conhecer as peças da OBI acessórios? Então dê uma olhadinha na página da marca https://m.facebook.com/OBI-Acess%C3%B3rios-1780329578656760/ . Já as encomendas podem ser feitas através do telefone:  (21) 99621-6426.

Beijos, Divantes!

Leia também:

Depois de Biel, Warner aposta em IZA, que fala de empoderamento e inspira-se em Beyoncé e Rihanna

Mídia internacional compara Karol Conka com Beyoncé

Karol Conka e MC Carol vão lançar música juntas chamada “100% Feminista”

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: