11 fatos sobre Marta Silva, a maior jogadora de futebol do mundo

Autor: Redação BOL Data da postagem: 13:28 19/02/2019 Visualizacões: 1203
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Marta, jogadora mais vezes eleita melhor do mundo / Foto: Reprodução - Diário do Centro do Mundo

Um dos seres humanos que melhor dominou a arte do futebol nasceu na pequenina Dois Riachos, em Alagoas. Hoje, a aquariana, que completa 33 anos em 19 de fevereiro de 2019, é uma lenda admirada pelo mundo inteiro. Conheça algumas curiosidades sobre uma das maiores camisas 10 da seleção brasileira, Marta Vieira da Silva.

Imagem: Reprodução - Instagram @martasilva10

1- Nasceu no sertão alagoano

Entre dois riachos, uma estrela. No dia 19 de fevereiro de 1986, depois de uma das mais severas secas sertanejas, nasceu Marta, a segunda filha mulher de dona Teresa da Silva.

Imagem: Reprodução / Instagram @martasilva10

2- Família de craques

Aos seis anos de idade, Marta passou a acompanhar os primos nas brincadeiras com bola no quintal da avó. A família tinha talento para o futebol: seus primos eram considerados os craques de Dois Riachos. Em pouco tempo, o talento de Marta superou o de todos.

Imagem: Reprodução - Instagram @martasilva10

3- Preconceito e machismo

Marta era a única menina de Dois Riachos a se aventurar com a bola nos pés. Menina jogando bola no sertão alagoano era um tabu e tanto. Foi chamada de mulher-macho, ofendida e caçoada. Se flagrada jogando bola por um dos irmãos, corria o risco de apanhar.

Imagem: Reprodução - Club de Regatas Vasco da Gama

4- O começo no Vasco da Gama

Aos 13 anos, Marta já participava de vários torneios locais de futebol como titular de um time masculino, mas foi obrigada a parar quando um treinador rival ameaçou tirar o time de campo se ela jogasse. Era medo. Quem coordenava o campeonato percebeu o talento da menina e a levou para o Rio de Janeiro. Bastaram alguns minutos com a bola no pé para ser aprovada no Vasco da Gama. Aos 14 anos, foi considerada a melhor jogadora do campeonato brasileiro sub-17.

Imagem: Reprodução - Instagram @martasilva10

5- Titular duas vezes

Depois de ganhar um campeonato pelo Vasco, Marta foi convocada para a Seleção Brasileira sub-19. Em menos de dois anos acabou convocada também para a seleção principal. Aos 16 anos jogava pelas duas categorias.

Imagem: Reprodução - Equalizer Soccer

6- Gigante na Suécia

Em 2004, Marta foi procurada pelo Umeå IK, time sueco de futebol feminino. Assinou contrato e partiu para Estocolmo. Durante os quatro anos atuando pelo Umeå IK fez 111 gols e foi considerada três vezes a melhor jogadora do mundo.

Imagem: Flávio Florido - Folhapress

7- Medalhas

Marta tem cinco medalhas. As de ouro, duas, conquistou nos Jogos Pan-Americanos de 2003 e 2007. As outras três são de prata: uma nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, outra na de Pequim, em 2008, e a terceira na Copa do Mundo de 2007, na China.

Imagem: Reprodução - ONU

8- Embaixadora da ONU

Em 2018, Marta foi escolhida como Embaixadora da Boa Vontade para mulheres e meninas no esporte. A história de vida da jogadora servirá de exemplo ao redor do planeta para o combate à desigualdade de gênero.

Imagem: Reprodução - Instagram @martasilva10

9- Maior artilheira da Seleção

Em 2015, Marta superou a marca de Pelé, até então o maior artilheiro da Seleção Brasileira de Futebol. O rei fez 95 gols, Marta, 101. Além disso, ela é a única atleta eleita seis vezes a melhor do mundo.

Imagem: Reprodução - Euronews

10- A única mulher no hall da fama do Maracanã

Em 2018, Marta deixou a marca dos pés em um molde para ser exposto no Museu do Maracanã. De novo. Em 2007, Marta também teve os pés registrados em uma placa de gesso, mas o objeto sumiu ninguém sabe como. Os seus são os únicos pés de mulher no hall da fama do estádio.

Foto: Reprodução - Diário do Centro do Mundo

11- Seis vezes Melhor Jogadora do Mundo

Marta foi a grande vencedora do troféu de melhor jogadora do mundo da Fifa pela sexta vez. A premiação foi entregue no dia 24 de setembro de 2018, em evento de gala da Fifa, em Londres. A norueguesa Ada Hegerberg, jogadora do Lyon, e a alemã Dzsenifer Marozsan, também do Lyon, eram as adversárias na disputa. A brasileira já havia vencido em 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010 e, com a perda do título no masculino por CR7, se torna a maior vencedora entre todos os atletas no prêmio individual da entidade - tanto ele quanto Messi têm cinco.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: