EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Lançamento Marcha das Mulheres Negras e Julho das Pretas

Autor: Marcha das Mulheres Negras de São Paulo e Aparelha Luzia Data da postagem: 12:13 27/06/2019 Visualizacões: 859
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Lançamento Marcha das Mulheres Negras e Julho das Pretas / Foto: Reprodução - Marcha das Mulheres Negras de São Paulo e Aparelha Luzia - Facebook

O lançamento da Marcha das Mulheres Negras de SP e calendário do #JulhodasPretas ocorre dia 2 de julho, próxima terça-feira, no quilombo urbano Aparelha Luzia.

Vai ter show do Samba de Roda da Nega Duda para fechar a noite!

A ideia é que seja um momento de compartilhar o que estamos pensando para o dia da Marcha e ouvir mulheres negras de luta.

Vamos também apresentar o calendário das atividades do Julho das Pretas!

Dá pra incluir atividades no calendário por meio do preenchimento desse formulário: http://bit.ly/CalendarioSP_JulhodasPretas2019 Bóra?

Como ocorre desde 2016 na cidade de SP, as mulheres negras vão às ruas no próximo dia 25 de julho. A data marca o Dia Internacional da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha.

O #25deJulho é marco internacional de luta e resistência das mulheres negras contra a opressão de gênero e raça. A data surgiu em 1992, durante o 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, realizado em Santo Domingo, na República Dominicana. Na ocasião, estabeleceu-se o 25 de julho como Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha.

Aqui no Brasil, uma lei de 2014 tornou a data o Dia Nacional de Teresa de Benguela e da Mulher Negra. Teresa foi uma líder quilombola no século 18, do Vale do Guaporé, em Mato Grosso, que defendeu por anos o território quilombola das incursões dos europeus.

Para nós, mulheres negras, é uma data de luta! Nos unimos as nossas irmãs indígenas e afro indígenas e vamos às ruas denunciar o patriarcado, o racismo e as opressões que vivenciamos, assim como anunciar um porvir longe do capitalismo e de todas as violências estruturais.

Convidamos, para se somarem a nós, todas as mulheres pretas, indígenas e afro indígenas organizadas ou não, todas as entidades mistas, movimentos sociais, partidos políticos com projeto progressista, coletivas preocupadas com a luta anti-racista, anti-machista e com a luta de classes que demarca lugar especialmente cruel para nós, mulheres negras periféricas.

Onde: Aparelha Luzia - Rua Apa, 78 - Campos Elíseos, São Paulo - SP, 01201-030

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: