Programa Prosseguir: Educadora Social Bel Santos, compartilha sua trajetória na literatura!

Autor: Bel Santos Mayer Data da postagem: 20:00 13/08/2019 Visualizacões: 71
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Programa Prosseguir: Educadora Social Bel Santos, compartilha sua trajetória na literatura! / Foto: Reprodução

Me vejo no vejo, me leio no que lemos: a trajetória de uma educadora social na promoção e defesa do Direito Humano à literatura

Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas falar de minha utopia, mas participar de práticas com ela coerentes.

(FREIRE, Paulo; Pedagogia da Indignação: Cartas pedagógicas e outros escritos, 2000)

As Bibliotecas Comunitárias no Brasil nascem diretamente relacionadas à distribuição desigual dos equipamentos culturais e à ausência ou presença seletiva do Estado no tratamento das políticas do livro, leitura e bibliotecas. Bel Santos construiu uma trajetória militante e profissional, ao lado de indivíduos e grupos comunitários de áreas periféricas e rurais geralmente privadas de bibliotecas públicas e escolares.

Na coordenação do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário (IBEAC), tem contribuído para a defesa da democratização do acesso à leitura literária e à escrita, criando bibliotecas comunitárias, fazendo a curadoria de prêmios e eventos literários, aproximando escritores(as) e leitores(as) e desenvolvendo programas de formação de jovens mediadores de leitura.

No dia 17 de agosto de 2019, das 09:30 às 12:30, a partir de sua experiência profissional, Bel Santos falará com os jovens participantes do Programa Prosseguir, sobre “Trajetória profissional na literatura e outras perspectivas de atuação”, de forma dialogada, partindo das aproximações e resistências individuais ao universo literário, compartilhando práticas e apontando desafios, necessidades, oportunidades que se apresentam para manter viva a utopia de que o acesso aos livros e à literatura seja amplo e irrestrito, seja um Direito Humano garantido para todos e todas.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: