Programa Prosseguir 2ª Edição

conheça

'Trago a indignação contra a injustiça', diz Nilma Lino, nova emérita da UFMG

Autor: Redação UFMG Data da postagem: 17:23 05/11/2019 Visualizacões: 263
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Nilma Lino: desejo mudança / Foto: Foca Lisboa - Reprodução - UFMG

Competência acadêmica e compromisso com as lutas emancipatórias foram ressaltados durante homenagem à professora, nesta quinta-feira

“Trago no sangue e na memória a dor do açoite e da chibata. Reconheço a presença do racismo, por mais disfarçado e ambíguo que ele possa ser. Trago a indignação contra a injustiça, a raiva contra a opressão, o desejo de mudança e uma corporeidade negra insubmissa." Esse foi um dos trechos do emocionante pronunciamento de Nilma Lino Gomes durante a solenidade em que recebeu o título de professora emérita da UFMG, na noite desta quinta-feira (31), na Faculdade de Educação.

Nilma Lino, que foi ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos no governo de Dilma Rousseff, destacou que sua trajetória sempre foi fundamentada na busca pela emancipação social e racial. “Foi com esse pensamento que atuei, junto com muitos colegas, na luta pelas cotas raciais, orientei estudantes na iniciação científica e na extensão, lecionei na graduação e pós-graduação e atuo hoje como professora voluntária”, disse.

A homenageada dedicou o seu discurso “aos oprimidos, às comunidades negra e LGBT, às mulheres que lutam pelo direito de ser quem são, à juventude, em especial à negra, e aos ex-presidentes Dilma e Lula”, e agradeceu a contribuição da comunidade da FaE, segundo ela, composta de pessoas que “ensinam, acolhem, desafiam, estimulam, criticam e valorizam”.

“Se hoje sou quem eu sou, se estive nos lugares acadêmicos, institucionais e políticos por onde passei, se recebo o reconhecimento local, estadual, nacional e internacional, é porque eu nunca estive só. Minha trajetória profissional e intelectual tem sido trilhada por muitos pés e mãos. Muitas vidas estão emaranhadas em minha vida, construída por muitas vozes silenciadas e corpos violentados”, ressaltou.

Nilma Lino Gomes foi muito aplaudida no momento de sua entrada no auditório / Foto: Foca Lisboa - UFMG

A ex-ministra defendeu que a educação não deve ser vista como “uma regulação conservadora, de currículos fechados e ideologias fundamentalistas”, mas como “ato de libertação, criticidade e fonte de conhecimento para intervir afirmativamente no mundo”. “Esse ideal não começou na universidade, mas veio da minha família negra, pobre e altiva, da minha atuação na rede municipal e do aprendizado com o movimento negro. Foram os passos que me educaram”, destacou.

Profissão de fé

A reitora Sandra Regina Goulart Almeida manifestou sua “honra e privilégio” de conduzir a cerimônia de outorga do título, afirmando que a homenageada é “uma das mais ilustres docentes da UFMG”. “Nilma é uma mulher forte e determinada, que perseverou na luta pela educação pública, em defesa da igualdade, do respeito à diferença e dos direitos humanos”, considerou.

Segundo a reitora, a trajetória de Nilma Lino Gomes foi marcada por desafios que projetaram a instituição nos âmbitos nacional e internacional. “Essa educadora notável se esmerou na importante tarefa de formar futuras gerações de professores. Sua atuação é uma profissão de fé em defesa de valores que são parte do ethos da instituição”, salientou.

Sandra Goulart também destacou o pioneirismo da emérita em vários campos e espaços. “É uma das poucas mulheres – e a primeira negra – a integrar nosso honroso rol de professores eméritos. Uma de suas características mais destacadas talvez seja a sensibilidade, em momentos tão críticos da nossa história, de ver o mundo com os olhos dos outros, algo cada vez mais raro e necessário”, enfatizou.

Referência

A diretora da Faculdade de educação, Daisy Moreira Cunha, lembrou que Nilma Lino, ainda nos anos 1990, contribuiu com o início do debate sobre questões étnico-raciais na unidade. “Tendo visto de perto o racismo na escola, Nilma investigou onde ele poderia ser mais bem combatido: na afirmação de uma identidade étnico-racial que se forma na escola, mas, antes de tudo, esse combate é forjado nas relações sociais, nas ações coletivas e nos espaços de afirmação do corpo e da beleza negra”, disse. 

O professor Paulo Henrique de Queiroz, do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação, que fez a saudação à homenageada em nome da FaE, destacou o “engajamento epistemológico, político e social” que caracteriza o legado da emérita.

Em seu entendimento, a excelência com que exerceu suas atividades fez de Nilma Lino uma referência para pesquisadores e militantes. “A combinação de competência acadêmica e compromisso com as lutas emancipatórias pode ser observada na sua produção e participação, para além das revistas acadêmicas, em jornais, revistas, blogs e sites, programas de rádio e televisão, material didático e livros de literatura infantil”, enumerou.

Queiroz mencionou o conjunto de homenagens recebidas em todo o Brasil por Nilma Lino como atestado eloquente de sua relevante contribuição. “Mesmo com tantos prêmios e compromissos, Nilma não perdeu, ao longo dos anos, o frescor e a vitalidade. Tê-la por perto é ter acesso à experiência acumulada por alguém disposta a escutar, pensar junto e encontrar saídas”, observou.

Trajetória

Nilma Lino Gomes ingressou na FaE em 1984, no curso de graduação em Pedagogia, e concluiu o mestrado em Educação pela UFMG, em 1994. É doutora em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Cumpriu estágio pós-doutoral na Universidade de Coimbra, supervisionada por Boaventura de Sousa Santos. Atuou como professora na Faculdade de Educação de 1995 a 2019. Coordenou, de 2002 a 2013, o Programa de Ensino, Pesquisa e Extensão Ações Afirmativas na UFMG e integra a equipe de pesquisadores desse programa.

Também coordenou o Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Étnico-raciais e Ações Afirmativas (Nera) e o GT 21 – Educação e Relações Étnico-raciais da Anped, na gestão 2012-2013. Foi membro do Conselho Nacional de Educação no período 2010-2014, designada para a Câmara de Educação Básica. É membro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (Anped), da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN). É bolsista de produtividade do CNPq.

A atuação de Nilma Gomes nas áreas de Educação e Antropologia Urbana propiciou a realização de pesquisas de relevo em tópicos como organização escolar, formação de professores para a diversidade étnico-racial, movimentos sociais e educação, relações raciais, diversidade cultural e gênero.

Em 2013 e 2014, Nilma Lino Gomes foi reitora da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab), tornando-se a primeira mulher negra a ocupar o cargo mais importante de uma universidade federal no Brasil. Em janeiro de 2015, deixou essa função para ser ministra-chefe da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) da Presidência da República, que, em decorrência da reforma administrativa de setembro daquele ano, foi incorporada ao recém-criado Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, do qual esteve à frente até 2016.

É autora de várias publicações, desde livros e artigos derivados de pesquisas de campo e destinados ao público universitário até narrativas de ficção para crianças e jovens. Entre as obras, destacam-se Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra, de 2006, fruto de sua tese de doutorado; Betina, de 2009, obra de ficção infantojuvenil, O menino coração de tambor, de 2013, e O movimento negro emancipador: saberes construídos nas lutas por emancipação, de 2019. Em comum, esses livros retratam a diversidade do universo cultural afro-brasileiro.

Nilma Lino recebeu o título das mãos da diretora da FaE, Daisy Cunha, e da reitora Sandra Goulart / Foto: Foca Lisboa - UFMG

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: