EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Trabalho das mulheres na pandemia aumentou com inclusão de tarefas e de pessoas para cuidar, diz pesquisa

Autor: Redação G1 Data da postagem: 13:40 30/07/2020 Visualizacões: 97
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Uma carrega garrafas de água após receber doação na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, na quinta-feira (23), durante a pandemia de Covid-19/Foto: Bárbara Dias - Estadão Conteúdo

Mulheres negras e residentes de áreas rurais assumiram mais responsabilidades com relação ao cuidado do outro, segundo estudo.

Metade das brasileiras passou a cuidar de alguém durante a pandemia de Covid-19. É o que revelam os dados de uma pesquisa realizada pela organização de mídia Gênero e Número em parceria com a Sempreviva Organização Feminista divulgada nesta quinta-feira (30). Considerando apenas os ambientes rurais, o número passa para 62%. Além disso, 41% das mulheres empregadas afirmam estar trabalhando mais do que antes.

A pesquisa foi realizada de forma on-line com mais de 2.600 mulheres entre abril e maio, e considerou uma variável amostral para que os resultados se aproximassem da realidade de todo o Brasil. Os pesquisadores aplicaram um questionário para identificar os efeitos da crise da saúde sobre o trabalho, a renda, e a sustentação financeira, contemplando o trabalho doméstico e de cuidado realizado de forma não remunerada no interior dos lares.

Pandemia provoca aumento no número de mulheres que procuram ajuda contra alcoolismo

As respostas foram analisadas levando em consideração variáveis como a etnia e localização das mulheres — se moram em áreas rurais ou urbanas.

O resultado da pesquisa mostra que as mulheres negras e residentes de áreas rurais assumiram mais responsabilidades com relação ao cuidado do outro. Além disso, as mulheres negras relataram ter menos suporte nestas tarefas.

As mulheres brancas representam a maior parte das mulheres que seguiram trabalhando e tiveram o salário mantido durante a pandemia. Neste grupo, 41% relatou estar trabalhando mais, mostrando o peso da ausência de empregados em casa ou de espaços como a creche e a escola.

Para 40% das mulheres, a pandemia e o isolamento social colocaram a sustentação da casa em risco. A maioria delas (55%) são negras, que relataram dificuldades no pagamento de contas básicas ou do aluguel.

Segundo a socióloga Tica Moreno, da Sempreviva Organização Feminista, os dados mostram que as dinâmicas de vida e trabalho das mulheres se contrapõem ao discurso de que o trabalho e a economia pararam durante o período de isolamento social.

“Os trabalhos necessários para a sustentabilidade da vida não pararam – não podem parar. Pelo contrário, foram intensificados na pandemia. A economia só funciona porque o trabalho das mulheres, quase sempre invisibilizado e precarizado, não pode parar”, comentou em entrevista à Agência Bori, especializada em divulgação cientícia e responsável por apresentar o trabalho.

Para a diretora da Gênero e Número Guilliana Bianconi, os resultados do estudo dão visibilidade para a crise do cuidado. “O cuidado está no centro da sustentabilidade da vida. Não há possibilidade de discutir o mundo pós-pandemia sem levar em consideração o quanto isso se tornou evidente no momento de crise global”.

 
Curta a nóticia:
Curta o CEERT: