Educação Básica - Projetos e Artigos científicos ACESSAR

‘Não tem como estar na posição que ocupo e não falar sobre racismo’

Autor: ROBERTO DE MARTIN Data da postagem: 12:00 12/04/2021 Visualizacões: 99
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
‘Não tem como estar na posição que ocupo e não falar sobre racismo’/Reprodução: Carta Capital

A advogada Marcelise de Miranda Azevedo, sócia de um grande escritório, fala a 'CartaCapital' sobre a igualdade racial no Direito

“A advocacia não está afastada do mundo. Ela reproduz a realidade. E na nossa realidade, as pessoas negras, especialmente as mulheres negras, estão em funções que são menos valorizadas”. Quem faz a constatação é a diretora do escritório Mauro & Menezes Advogados, Marcelise de Miranda Azevedo.

De fato, pesquisa de 2019, do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), em parceria com a Aliança Jurídica pela Equidade Racial, mostra que pessoas negras são menos de 1% entre advogados de grandes escritórios de São Paulo. Entre pessoas brancas no ramo, 48% são sócios e advogados juniores, plenos ou seniores. O estudo ouviu 3.624 pessoas em nove bancas de advocacia da capital paulista.

Diretora de Marketing e Relações Institucionais e coordenadora do escritório Mauro Menezes & Advogados em Brasília, Marcelise define o racismo brasileiro como “envergonhado e hipócrita”. Nesta entrevista a CartaCapital, ela ainda fala das relações entre o racismo estrutural e a desigualdade racial no meio jurídico.

Leia mais em https://www.cartacapital.com.br/diversidade/nao-tem-como-estar-na-posicao-que-ocupo-e-nao-falar-sobre-racismo/

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: