EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Mulheres da Feira Negra de Fortaleza movimentam o afroempreendedorismo feminino

Autor: Denise Marçal Data da postagem: 10:33 04/06/2021 Visualizacões: 69
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Yasmin Djalo: "o turbante é a coroa da mulher africana"./Foto: Denise Marçal - Reprodução - Diário do Nordeste

Organizadas de forma coletiva com empreendedores negros, mulheres conduzem negócios que valorizam a identidade e criam vínculos com a ancestralidade. Conheça empreendedoras da Feira Negra de Fortaleza.

Quem visita a Feira Negra de Fortaleza (@feiranegradefortaleza), em exposição no Shopping RioMar Fortaleza até o dia 14 de junho, encontra artesanato, moda autoral, artigos de decoração, entre outros produtos. Cada peça revela mais do que beleza e utilidade, mas uma forte ligação com a ancestralidade afrobrasileira, que se conecta com a identidade de quem produz e de quem consome. Por trás de cada item, estão as mãos de homens e mulheres negros que, juntos, movimentam o afroempreendedorismo no Ceará. 

Neste grupo, as mulheres são a maioria, conduzindo negócios relacionados à moda, decoração, culinária e artesanato.  De acordo com Aliciane Barros, 38 anos, uma das coordenadoras do coletivo e criadora da loja Cearafro (@cearafro), 13 mulheres, de um total de 15 empreendedores, participam da feira. O que os une, explica Aliciane, é o propósito de conduzir negócios voltados para valorização da cultura e identidade afrobrasileira. “O empreendedorismo negro é feito por pessoas negras que empreendem, já o afroempreendedorismo é quem trabalha com questões voltadas para a cultura e resgate da nossa ancestralidade”, diferencia Aliciane Barros. 

Legenda: Aliciane Barros, uma das coordenadoras da Feira Negra de Fortaleza./Foto: Denise Marçal - Reprodução - Diário do Nordeste

Produtos como, blusas com retratos de ícones negros, bonecos de pano, roupas com tecido africano, acessórios com estampas e peças que remetem às cores e história dos ancestrais africanos, além de quitutes, são alguns dos itens que podem ser encontrados na feira. “Não é só um local de compra e venda, é um espaço para conversar, falar da família, dos nossos traços negros, da nossa história e do que significa cada peça”, afirma a coordenadora.

RAÍZES AFRICANAS 

Fo a partir da necessidade de se conectar com as próprias raízes africanas que a designer de moda Yasmin Djalo, 22 anos, criou a marca Afrore (@useafrore), especializada em turbantes e acessórios. De família africana, ela conta que a marca surgiu durante a faculdade, quando foi desafiada a criar um projeto que solucionasse uma problemática social. “A Afrore surgiu realmente nessa proposta de trabalhar com a autoestima, com esse resgate ancestral da nossa identidade”, diz Yasmin Djalo. 

O negócio começou com a produção de turbantes, um acessório que a própria designer aderiu em um momento de transição capilar e adotou o estilo. “O turbante é a coroa da mulher africana e realmente nos representa muito culturalmente”, afirma a empreendedora, que produz também acessórios, como brincos e colares, com material que vem da África. 

O resgate da cultura familiar, além da necessidade de prover o sustento da família, também colocou a artesã Patrícia Bittencourt (@pretabitten) no caminho do afroempreendedorismo. “A marca Preta Bitten nasceu quando eu estava desempregada, com três crianças e sozinha. Então eu resgatei a história da minha mãe que pintava em colchas e panos de prato”, conta a empreendedora, que produz blusas estampadas com imagens de mulheres negras.  

Na pandemia, Patrícia fez parceria com a empreendedora Karla Almeida e criou a BenAfro (@bem_afro), produzindo artigos de vestuário e decoração com temáticas afro. Para ela, o afroempreendedorismo é um movimento importante para o posicionamento do empreendedor negro no cenário econômico brasileiro. “Para a população negra no Brasil é um processo muito novo de reconstrução desse ser negro que foi capaz de construir o País e é capaz de construir a própria autonomia”, reflete.  

Legenda: Patrícia Bittencourt resgatou a cultura familiar e criou negócio que valoriza a mulher negra./Foto: Denise Marçal - Reprodução - Diário do Nordeste

DESAFIO DE EMPREENDER 

Escoar os produtos é um dos desafios das afroempreendedoras. Com a Feira Negra de Fortaleza, que já passou pela Praça da Gentilândia, Shopping Benfica e RioMar Kenedy, as vendas cresceram e os produtores, que vivem dessa renda, conseguiram ter um bom resultado. “Nossa expectativa é que outros espaços nos convidem, porque esse formato dá maior visibilidade e maior poder de venda”, observa Patrícia Bittencourt. 

Diante dos desafios de empreender, Yasmin Djalo acredita que estar conectada ao propósito e ao passado é o que ajuda a manter as mulheres no afroempreendedorismo. “As mulheres negras foram as primeiras empreendedoras do Brasil, antes de existir a palavra ‘empreender’, elas já estavam com seus negócios nas ruas, desde o período colonial. Então isso faz parte da nossa ancestralidade. Quando nos conectamos com esse passado, vemos que somos capazes”.   

CONHEÇA AS MARCAS DE AFROEMPREENDEDORAS DA FEIRA NEGRA DE FORTALEZA 

Cearafro 

O que produz: Vestuário feminino e masculino 

Instagram: @cearafro 

Preta Bitten 

O que produz: artigos de decoração 

Instagram: @pretabitten 

BenAfro 

O que produz: vestuário e decoração 

Instagram: @bem_afro 

Menina Nega Bijuterias 

O que produz: Acessórios 

Instagram: @meninanegabijuterias 

RModa Africana 

O que produz: Vestuário feminino e masculino 

Instagram: @rmodaafricana 

Cunhãs 

O que produz: artigos de decoração e cosméticos 

Instagram: @cunhas.atelie 

Timbauba Cultura Moda 

O que produz: vestuário feminino 

Instagram: @timbaubaculturamoda 

Acarajé da Nega Pérola 

O que produz: Acarajé baiano 

Instagram: @acarajedanegaperola 

Ariarte com tecido 

O que produz: artesanato com tecido africano 

Instagram: @ariartcomtecido 

Feito por mulher 

O que produz: Artesanato e vestuário 

Instagram: @feitopormulher1 

Hannah  Vyrnynya 

O que produz: bonecos de pano 

Instagram: @hannanvyrnynya 

Serviço:  

Feira Negra de Fortaleza  

Período: até 14 de junho, de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h; sábados e domingos, das 12h às 17h 

Onde: Shopping RioMar Fortaleza - Piso E2, próximo à Caixa Econômica (R. Des. Lauro Nogueira, 1500 – Papicu)  

Informações: @feiranegradefortaleza 

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: