bell hooks, escritora e ativista, morre aos 69 anos

Autor: Redação G1 Globo Data da postagem: 15:55 15/12/2021 Visualizacões: 95
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
A escritora e ativista bell hooks/ Imagem: Reprodução - Divulgação - G1 Globo

Ela escreveu mais de 40 livros publicados em 15 idiomas diferentes e ficou conhecida por tratar de temas como feminismo, racismo, cultura, política, papéis de gênero, amor e espiritualidade.

A escritora e ativista bell hooks morreu nesta quarta-feira (15) aos 69 anos. “A autora, professora, crítica e feminista fez sua transição cedo, de casa, rodeada de familiares e amigos”, escreveu a família dela em um comunicado.

Ela estava doente e rodeada de amigos e familiares quando morreu, de acordo com a sobrinha, Ebony Motley.

 
hooks, que nasceu Gloria Jean Watkins, publicou seu primeiro livro de poemas "And There We Wept" sob seu pseudônimo em 1978.

O nome artístico, escrito inteiramente com letras minúsculas, era uma homenagem à bisavó.

Mais de 40 livros

Depois, ela escreveu mais de 40 livros publicados em 15 idiomas diferentes. Os temas tratados por ela eram feminismo, racismo, cultura, política, papéis de gênero, amor e espiritualidade.

No Brasil, ganhou destaque por meio da publicação de obras traduzidas como "Olhares negros: raça e representação", "Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade" e "O feminismo é para todo mundo".

bell-hooks2jpg-1639595187.jpg (725×516)
A escritora e ativista bell hooks/ Imagem: Reprodução - Divulgação - G1 Globo
 
Uma das escritoras feministas e teóricas mais importantes de sua geração, ela era capaz de escrever ensaios com tom político, mas também bem pessoal.

Nesses textos, ela poderia também analisar clipes de Madonna ou a representação de negros americanos no cinema.

Watkins frequentou escolas segregadas no Condado de Christian, depois foi para a Universidade de Stanford na Califórnia e fez mestrado em inglês na Universidade de Wisconsin.

O doutorado em literatura, por sua vez, foi na Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

O trabalho de bell hooks já foi descrito como "a redefinição do feminismo". Para o jornal "Washington Post", ela conseguiu ampliar um movimento que muitas vezes era visto principalmente como associado a mães e esposas brancas, de classe média e alta.

 
 
Curta a nóticia:
Curta o CEERT: