Programa Prosseguir 2ª Edição

conheça

Bob Marley e a consciência negra no Brasil

Autor: Flávio Jorge Rodrigues da Silva Data da postagem: 17:31 16/05/2011 Visualizacões: 4371
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Bob Marley e a consciência negra no Brasil / Imagem: Vermelho

No início da década de 70, desafiando a ditadura militar, a violência policial e os obstáculos à liberdade de expressão, a juventude negra da época se organizou através de um movimento que é a origem do que denominamos movimento negro contemporâneo.

O ponto de partida para a articulação dessa juventude é a valorização da cultura negra e o resgate da história de organização da população negra no Brasil. Recebe, também, a influência de significativos exemplos de luta em outros lugares do mundo como: - O movimento da negritude surgido na França na década de 30, a partir da ação de intelectuais negros em torno de questões como a afirmação da dignidade racial;

O movimento dos direitos civis nos Estados Unidos na década de 70, impulsionado pelos negros americanos em torno de bandeiras como a mobilidade social e igualdade do direito à cidadania entre negros e brancos.

Os movimentos de libertação dos países africanos, também nos anos 70, que marcaram o fim do colonialismo português e a ascensão ao poder da população negra de Angola, Moçambique e Guiné-Bissau. Os bailes, as equipes de som e a música negra são as os meios para os encontros e as manifestações dos valores e ideias dessa juventude. Entre essas manifestações está um gênero musical, com letras de forte conteúdo político, oriundo do Caribe e principalmente da Jamaica, o reggae. Grupos como os Wailers e nomes como Burning Spears, Jimmy Cliff, Peter Tosh, Bob Marley passam a ser conhecidos e a ter suas músicas veiculadas aqui no Brasil.

Dando um salto no tempo, nessa semana acompanhamos, ao redor de todo o mundo, a rememoração dos 30 anos da morte do principal destaque do reggae, Bob Marley, que ao plantar suas raízes musicais, sociais e políticas a partir dos anos 70 é, sem dúvida, uma das pessoas mais veneradas e conhecidas no planeta. “Nós nos recusamos a ser o que você queria que nós fossemos, Somos o que somos, é assim que vai ser, você não pode me educar” Babylon System “Quando eu lembro do estalar do chicote meu sangue corre gelado, lembro no navio de escravos, quando brutalizavam minha alma”.

Slave Driver “Em que eu me lembro, a gente sentado ali na grama do aterro sob o sol, observando hipócritas disfarçados, olhando ao redor amigos presos, amigos sumindo assim, pra nunca mais, tais recordações, retratos do mal em si, melhor é deixar pra trás, Não, não chore mais, Não, não chore mais. (Versão de Gilberto Gil de No woman No cry – LP Realce, 1979) Esses são trechos de música e letras ouvidas e cantadas por várias gerações e que tornaram Bob Marley um dos ícones, um modelo e um exemplo de luta contra as injustiças sociais, em todo o mundo. Que também contribuiu para que nós, negros e negras, aqui no Brasil tenhamos adquirido uma consciência negra, através do resgate de nossa história, da valorização de nossa cultura e de nossos líderes, que nos impulsiona a desconstruir o racismo e fortalecer a nossa identidade racial.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: