EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Como lidar com o sucesso de negros

Autor: DODÔ AZEVEDO Data da postagem: 16:00 05/12/2019 Visualizacões: 306
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Como lidar com o sucesso de negros/Imagem: Reprodução - Folha de São Paulo

Como se reage ao sucesso de negros? Rodrigo França é, como se diz no mundo dos brancos, um renascentista. Ser polivalente e não ver distinção separatista entre saberes são características ancestrais da filosofia negra. O Teatro, também. Antes que houvesse a necessidade grega da invenção da palavra “teatro”, que na prática separou a arte da vida, a cultura negra já entendia que as práticas teatrais eram fundamentais para a evolução do corpo e do espírito. Rodrigo tem sido o contramestre do chamado renascimento do teatro negro, que lota as salas do Rio de Janeiro e surpreende o mundo artístico, onde crise é a palavra da vez. Mas que teatro negro é esse? No artigo abaixo, exclusivo para o Quadro-negro, o produtor e dramaturgo sugere resposta.

Teatro Negro, Teatro Branco – Por Rodrigo França

Recentemente, um crítico teatral escreveu um texto com valores nitidamente racistas para o espetáculo “Negra palavra – Solano Trindade”. Antes que pensem, não estou na produção do espetáculo. Não precisa me atingir diretamente para que eu possa denunciar o que está grotescamente errado… Há séculos nesse país.

Precisamos discutir esse teatro branco do Rio de Janeiro, que se coloca como universal. Como o racismo é estrutural no Brasil, cada palavra nesse texto pode se desdobrar em outros estados.

Sim, eu vou racialiazar o teatro, assim como já pensava o teatrólogo Abdias do Nascimento. Racializo não só porque o teatro negro tem pesquisa, história e linguagem. Racializo porque o Brasil já é racializado, ainda que de uma maneira escamoteada. Sendo assim, vemos qual o teatro, mesmo com casa lotada, não recebe as grandes verbas de patrocínio e financiamento. Olha que, quando falamos de patrocínio, estamos discutindo verba pública, que deveria chegar para todos. Mas isso é outra pauta.

Somos 54% da população brasileira e, em novembro – mês da consciência negra –, temos dezessete produções no Rio. Ainda é um número muito baixo, pensando em proporção. E olha que estamos no mês em que acreditam que o artista negro só tem boleto para pagar nesse período. Nos demais meses, as produções tendem a ser bem menores.

A democracia racial, que bradam aos quatro ventos, se desmistifica quando observamos o cenário teatral do Rio de Janeiro que é embranquecido. Sempre questionam a ficha técnica dos espetáculos que eu produzo por conter 100% de profissionais negros. Já insinuaram que eu seria um segregacionista. Mas e quando se tem 100% de profissionais brancos?

O produtor tem todo o direito de escalar os profissionais que quiser em seu projeto, mas é desonesto justificar a não existência de profissionais negros de qualidade e se colocar como antirracista em um cenário de tamanha exclusão.

O teatro negro se fortalece a cada ano, multiplicando o seu público. Resistindo num mercado cruel. Com uma história que perpassa por Solano Trindade, Benjamim de Oliveira, Ruth de Souza, Abdias do Nascimento, Ubirajara Fidalgo, Léa Garcia, entre outros.

O que chamam de “tradicionais lamúrias”, “choro nem vela”, “teatro primitivo” e “teatro raivoso” eu chamo de TEATRO. Fazemos Teatro Negro. Este não se estabelece como temática, mas como pesquisa, linguagem e história. Existem diversas formas de fazer arte. O teatro branco faz o que quer, monta “o quê” e “como” achar conveniente e não se questiona isso. O teatro branco quando “panfleta” é vanguardista, é teatro político. Eu adoraria não ter que imprimir na minha arte, que vivo num país que mata um jovem negro a cada 23 minutos. Sim, podemos chorar, gritar e denunciar em cena. Não espere que teremos projetos eugenistas para o conforto da consciência daqueles que ratificam o racismo.

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: