EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Documentário ‘Enraizadas’ conta a história da trança nagô como símbolo de tradição e resistência

Autor: Kauê Vieira Data da postagem: 16:00 24/06/2020 Visualizacões: 120
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Documentário ‘Enraizadas’ conta a história da trança nagô como símbolo de tradição e resistência/Reprodução: Hypeness

Muito mais do que um penteado ou uma técnica capilar com finalidade estética, as tranças nagô são verdadeiros canais culturais, afetivos, afirmativos e identitários para a cultura negra – e é essa a premissa tornada em história no documentário Enraizadas. Com direção, pesquisa e roteiro de Gabriele Roza e Juliana Naascimento, o filme parte de entrevistas e recriações de imagens de arquivos para investigar a “tecedura dos fios capilares em tranças nagôs como um processo não restrito à beleza estética mas também à renovação dos afetos, de resistência e reafirmação da própria identidade e tradição”. Trata-se de um mergulho nas raízes africanas e suas marcas poéticas e éticas tendo o cabelo como ponto de partida.

Reprodução: Hypeness

Concebido e dirigido por duas mulheres negras e realizado por uma equipe quase toda composta também por pessoas negras, o filme traz diversos pesquisadores para guiar e aprofundar o mergulho na história, na força e no significado das tranças nagô.  Segundo sinopse disponível no Instagram do documentário, Enraizadas é “um filme que ultrapassa e ressignifica o visual das tranças para exaltar a poética, a história, a africanidade, os conhecimentos matemáticos e as possibilidades de invenção através do cabelo”.

As pesquisas para a realização do projeto começaram no ano passado, e mostraram que para todo lugar que o povo negro foi levado em sua diáspora, foi também sua conexão com as tranças, como memórias ancestrais, como verdadeiras raízes preservadas através desse trançar.

Reprodução: Hypeness

 “Trançar, para nós, é mais do que uma afirmação, é expressão de afeto, um símbolo de auto-cuidado e que foi passado de geração em geração”, diz em post. Desde junho o filme vem sendo exibido em festivais online, e por isso vale seguir seu Instagram – a fim de acompanha-lo em festivais e também saber um pouco mais dessa incrível história ancestral.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: