EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Festival de cinema voltado a profissionais negros abre inscrições no RS

Autor: Matheus Beck Data da postagem: 18:00 15/09/2020 Visualizacões: 81
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Equipe e elenco da série “Nós somos pares”, de Camila de Moraes, gravada em Salvador/Foto: Giuliano Lucas - Reprodução - G1

Seleção de concorrentes do Cinema Negro em Ação começa nesta segunda (14) e vai até 16 de outubro. Evento é internacional e contempla videoclipes, videoartes, curtas e longas-metragens.

O 1º Festival Cinema Negro em Ação, voltado a profissionais negros, está com inscrições abertas a partir desta segunda-feira (14). O evento é internacional e competitivo, e contempla vários segmentos do audiovisual, como videoclipes, videoartes, curtas e longas-metragens em formato digital.

As inscrições vão até 16 de outubro, e a curadoria anunciará as obras selecionadas até 5 de novembro. Podem participar produções de qualquer ano, com temática livre, sem necessidade de serem inéditas.

O festival acontece de 20 a 27 novembro, integrado às programações do mês da Consciência Negra. As produções serão transmitida pela TV, pelas redes sociais da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ) e pela plataforma Cultura em Casa, da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

1º Festival Cinema Negro em Ação

  • Inscrições: de 14 de setembro a 16 de outubro pelo site
  • Divulgação dos selecionados: 5 de novembro
  • Programação: 20 a 27 de novembro
  • Premiação: 27 de novembro

As principais categorias renderão prêmios aos concorrentes, incluindo uma residência artística para os vencedores de melhor curta-metragem estadual e melhor longa-metragem nacional em parceria com o Festival Internacional de Cine de Cartagena de Índias, na Colômbia.

Também será feita a seleção de 14 projetos em desenvolvimento de séries e longas-metragens, que receberão o selo Cinema Negro em Ação, e serão apresentados em encontros exclusivos com convidados parceiros do festival, dentre os quais a Netflix.

Equidade racial no mercado audiovisual

A idealizadora do festival é a cineasta gaúcha Camila de Moraes, que dirigiu o documentário O caso do homem errado sobre o genocídio de jovens negros no Brasil. O filme foi finalista entre as produções que concorriam à indicação brasileira para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2019, quando foi escolhido O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues.

Atualmente, Camila desenvolve o projeto de uma série de ficção chamada Nós somos pares, que aborda a vida de seis mulheres negras e suas relações de amizade e amores. "É um festival afirmativo, que tem a intenção de conhecer outros olhares produzidos dentro do audiovisual, servindo como um facilitador de diálogos entre público e setores da indústria cinematográfica", diz a cineasta.

Ela conta que a ideia inicial era fazer uma programação maior e percorrer por sete regiões do estado contribuindo com a formação dos profissionais. Porém, com a pandemia, precisou inverter a ordem: primeiro, o festival, e depois, em 2020, o circuito de formação.

"Uma coisa que estávamos preocupados é que muitos profissionais, por conta da falta de recursos, não conseguem produzir muito seguido. O audiovisual ainda é muito caro. Um dos critérios é não ter data de produção. É aberto, mas a gente quer dar espaço para que mais pessoas cheguem a esses locais. Estamos ansiosos por saber quais vão aparecer e diversificar ainda mais as produções", comenta Camila.

O diretor do Instituto Estadual de Cinema (Iecine), Zeca Brito, cita que o festival tem o comprometimento com a equidade racial no mercado audiovisual.

“O festival representa um marco nas políticas afirmativas das instituições envolvidas, resultado de um programa de inclusão e representatividade que aposta no audiovisual como um caminho de desenvolvimento econômico e social”, ressalta.

Já o diretor da CCMQ, Diego Groisman, concorda com a necessidade de ampliação à diversidade no cinema. “Realizar um festival a partir de produções de pessoas negras é importante para dar visibilidade a esses trabalhos, contribuindo para promoção de políticas de equiparação racial”, acrescenta.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: