ZUMBI VIVE?

Autor: Redação (Blog do Sorrentino) Data da postagem: 09:00 20/11/2015 Visualizacões: 873
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Fonte da Imagem: SINPRO/BA - http://www.sinpro-ba.org.br/novo/?p=2277

Chega o mês de novembro, e emergem debates e reflexões sobre a história e situação afrodescendente no Brasil. Parece aquele lugar marcado para pensarmos, refletirmos ficarmos tranquilos por termos feito isso, sermos legais, e no restante do ano nos sentirmos descompromissados. É isso ou não?

 

Ao longo deste ano, temos visto o acirramento do conservadorismo brasileiro, a radicalização das forças opressivas da direita, e uma tentativa de desconstrução dos ganhos sócio raciais dos últimos anos. E o que a maioria da população brasileira tem feito ou refletido sobre isso, sobre estas perdas? Muito pouco! Cadê Zumbi? Zumbi vive dentro de você? Como?

 

Antes, porém, seria interessante tratarmos um pouco sobre a origem do 20 de novembro, o que é, como é?

 

O dia 20 de novembro é celebrado como uma homenagem a Zumbi dos Palmares – mito fundador da luta antirracismo no Brasil -,data na qual entrou na imortalidade, lutando por um Brasil mais diverso e pelo fim da exploração do homem negro pelo homem branco, em 1695. Líder do Quilombo dos Palmares, segundo aponta a história, foi um personagem que dedicou a sua vida lutando contra a escravatura no período do Brasil Colonial.

 

De lá para cá, coisa pouca mudou a realidade das populações negras no Brasil, a sensação de insegurança, perseguição, exclusão, e punição, permanecem. Precisamos refletir sobre isso. Precisamos refletir seu legado, e o legado de tantos Zumbis que formam a história do sujeito afrodescendente brasileiro. No período de governo Lula, principalmente, tivemos avanços na luta de combate ao racismo, significativos. Em 2003, no dia 9 de janeiro, criou-se a lei 10.639 incluiu o Dia Nacional da Consciência Negra no calendário escolar. A mesma lei que torna obrigatória o ensino sobre diversas áreas da História e cultura Afro-Brasileira. Porém, pouco implementada nos espaços acadêmicos, e com grande rejeição dos grupos evangélicos neopentecostais fundamentalistas.

 

Em 2011, a presidente Dilma Rousseff sancionou a lei 12.519/2011, que cria o feriado do Dia da Consciência Negra, porém, não obriga que ela seja feriado. Isso determina que ser feriado ou não varia de cidade para cidade, de acordo com a sensibilidade dos Prefeitos e do legislativo municipal. Ainda sim, o Dia da Consciência Negra é feriado em mais de 800 cidades brasileiras.

 

Todos estes avanços e retrocessos, conquistas e não implementações, têm atingido diretamente a um sujeito comum; o jovem negro brasileiro, vítima de uma política de extermínio arquitetado pelos controladores/reguladores do Estado. Os representantes da elite cafeeira, que se traveste nas famílias burguesas, e controladoras do capital nacional, e cuja constituição ideológica reflete nos meios de comunicação que propagam suas demandas e pautas excludentes, e criminalizadoras desta juventude. Cadê o Zumbi dentro de você?

 

Para ilustrar, brevemente, esta colocação, pensemos a situação da juventude negra no Distrito Federal, às portas do Palácio do Planalto e de todos os principais órgãos do executivo e legislativo; segundo pesquisa da Codeplan, Companhia de Planejamento do Distrito Federal, mais da metade da população do Distrito Federal é negra, 56,2% (2010) as regiões administrativas com maior contigente de população afrodescendente, Estrutural e Fercal, são também as mais pobres e com maiores índices de violência da região. Segundo a própria Codeplan, são locais conhecidos pela violência e condições precárias de moradia.

 

Outro importante dado sobre a situação da população negra na Capital Federal, reforça o olhar para a gritante desigualdade sócio racial: 70% dos moradores de favelas no DF são negros, e na comunidade de Vila Rabelo, em sobradinho II, este contingente chega a 83%. Pesquisa do Dieese mostra que a renda média por hora de um trabalhador negro é de R$ 11,37, o equivalente a 64,7% do salário médio por hora de um trabalhador não negro, que é de R$ 17,46. De acordo com o levantamento, realizado com base em dados de 2013, os negros estão em ocupações mais precárias, com jornadas de trabalho maior e sem proteção social. Eles também são os que mais sofrem com desemprego.

 

Na questão de gênero, ainda segundo a Codeplan, 72% dos lares no DF são chefiados por homens, acompanhados de suas companheiras, e em 89% das casas administradas por mulheres, elas estão sozinhas, sem companheiros. E, as mulheres negras são as responsáveis pela maioria dos lares individuais, sem um parceiro.

 

Enfim, trouxe estes parcos dados para ilustrar a situação da população afrodescendente no Brasil, os caminhos e descaminhos das políticas públicas progressistas sob pressão dos conservadores, e que demandam a nossa presença nas ruas, e nos debates nos mais diversos espaços, somos responsáveis pela manutenção das conquistas, e também pela perda delas.

 

Segundo os historiadores, ao ser caguetado por um ex-companheiro de quilombo e, encontrado ferido em seu esconderijo, após uma grande batalha que havia destruído parcialmente o quilombo dos Palmares pelos soldados do governo imperial, comandado pelo bandeirante Domingos Jorge Velho, Zumbi preferiu o suicídio, pulando do precipício, à se entregar e retroagir nas conquistas da luta guerreira. E você, se jogaria pelo quê?

 

Zumbi vive?


Leia também:

O Comandante Negro das Matas renasce nas telas

Ladainha Rei Zumbi dos Palmares - Capoeira Angola

No Rio, monumento à Zumbi dos Palmares é pichado com símbolo nazista

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: