Educação Básica - Projetos e Artigos científicos ACESSAR

Racismo: 45% das agências de empregos na França aceitam pedidos por trabalhadores "de tipo europeu"

Autor: Redação RFI Data da postagem: 11:00 12/10/2021 Visualizacões: 66
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Trabalhadodes estrangeiros em uma construção de um hotel na cidade de Andermatt na Suiça. 16 de abril de 2013/Reprodução: RFI

De acordo com informações da rádio France Inter desta sexta-feira (8), quase metade das agências de trabalho temporário no setor da construção civil entrevistadas pela associação SOS Racismo na França concordam em discriminar os trabalhadores estrangeiros ou de "tipo não europeu".

Uma nova pesquisa efetuada pela associação SOS Racismo revela que 45% das agências de trabalho temporário, todas do setor da construção, concordam em discriminar os trabalhadores estrangeiros ou "do tipo não europeu", revelou nesta sexta-feira (8) a rádio France Inter.

A pesquisa telefônica foi realizado em maio de 2021, com 70 agências de trabalho temporário na região parisiense. Elas representam € 19 bilhões em faturamento.

Todas as ligações foram feitas em menos de uma semana, para evitar suspeitas. A cada vez, o mesmo cenário: um dos integrantes da equipe de testes se faz passar por um auxiliar de uma construtora fictícia e afirma ter recebido instruções de seu chefe. Pede para recrutar apenas trabalhadores do "tipo europeu".

"Vou fingir que não ouvi nada, mas anoto"

Nas respostas das agências de trabalho temporário, registadas pela associação SOS Racismo, foram registradas as seguintes respostas: "Vou fingir que não ouvi nada, mas anoto", "Anotei o seu pedido, mas não me escreva", "se não houver comprovação desse tipo de pedido, podemos fazer o que for necessário ”. No total, quase uma em cada duas agências de trabalho interrogadas aceitou a solicitação discriminatória.

“Não tentámos forçá-los à discriminação. Se nos dissessem que não, acabou por aí”, garante Marie Mescam, chefe do departamento jurídico da SOS Racismo. "Podemos aprovar leis, elas não são realmente aplicadas. Embora não sejam leis vinculativas."

Entre os grupos interrogados, algumas surpresas como a Adecco, recentemente fichada por "discriminação étnica", e que desta vez obteve uma excelente classificação: nenhuma de suas agências foi questionada por este tipo de crime, ao contrário de outras marcas como Proman, Ergalis ou Morgan Service. Mais de 60% das agências destas marcas concordaram em discriminar.

Por sua vez, a SOS Racismo defende medidas como a proibição da gestão empresarial durante dez anos para os empregadores condenados por discriminação, e a obrigação de formação para todos os trabalhadores temporários.

A associação também deseja desafiar os candidatos às eleições presidenciais na Franàa sobre essas questões, pouco presentes no debate público, segundo ela.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: