Negros foram mais prejudicados no mercado de trabalho na pandemia, diz IBGE

Autor: Lorena Cardoso Data da postagem: 10:00 20/12/2021 Visualizacões: 94
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Jovens estão em maior número entre os desempregados durante a pandemia/ Imagem: Reprodução - Divulgação - Poder 360

Pesquisa mostra que grupos sociais historicamente em desvantagem foram ainda mais prejudicados durante a pandemia.

De acordo com o relatório “Síntese de Indicadores Sociais: ??Uma análise das condições de vida da população brasileira 2021”, publicado nesta 6ª feira (3.nov.2021) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), pessoas negras são a maior parte da população desempregada, empregada com subocupações e com os menores rendimentos mensais no Brasil em 2020. O estudo compara 2019 e 2020.

Eis a íntegra do relatório (45,1MB).

As desigualdades sociais foram acentuadas pela pandemia. Em um panorama geral, os índices de ocupação sofreram declínio, os de desocupação aumentaram. Mas os números são piores em grupos que já apresentavam desvantagem histórica na sociedade. Jovens e mulheres também estão entre os mais prejudicados durante o período.

Negros no mercado de trabalho

Além de maioria entre os desempregados (46%), a população negra também recebe menores salários. A diferença média de rendimentos mensais de brancos e pretos ou pardos ultrapassa R$ 1.200,00. Entre os empregados do país, negros ocupam cargos caracterizados por baixos rendimentos e alta informalidade.

Os setores que empregam maioria de pretos e pardos são:

  • Agropecuária;
  • Construção;
  • Comércio e Reparação;
  • Serviços Domésticos.

Atividades que exigem maior nível de escolaridade e cargos com maiores salários são ocupados, em maioria, por pessoas brancas. Informação, administração pública, educação, saúde e serviços sociais, atividades que apresentaram rendimentos superiores à média, foram setores com maior participação de pessoas brancas. Os setores também foram menos prejudicados com a baixa da demanda de mão de obra durante a pandemia.

A desigualdade de salários também atinge altos cargos. Em 2020, pessoas brancas com ensino superior completo receberam em média R$ 33,8 por hora trabalhada, enquanto as pessoas negras, R$ 23,4. A diferença média entre pessoas com todos os níveis de escolaridade foi de 69,5% em favor da população branca.

Gênero

Em 2020, apesar de pessoas do sexo feminino atingirem rendimentos maiores dentro do próprio grupo em comparação a anos anteriores, o aumento ainda não se equipara com rendimentos de pessoas do sexo masculino considerando o mesmo período. A média de diferença de rendimentos entre homens e mulheres é de R$ 600,00.

Mulheres também são maioria entre os “subocupados”. Cerca de 52% da população que se encontra em ocupações nas quais “exerce um número de horas trabalhadas inferior a 40 horas semanais, possui disponibilidade para trabalhar mais horas, seja em um segundo trabalho, seja substituindo o trabalho atual por um outro em que tenha carga horária maior, e tem interesse em trabalhar mais horas”, segundo definição do IBGE.

Desemprego entre os jovens

Em momento de crise, os jovens são os mais prejudicados no mercado de trabalho. A taxa de desocupação entre jovens atingiu 13,8 em 2020. Em 2019, os números apresentavam 11,8%. As métricas consideram pessoas de 14 a 29 anos.

O estudo faz parte da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) em parceria com o SCN (Sistema de Contas Nacionais). Dados colhidos de maio a novembro de 2020 pelo grupo especial Pnad Covid-19 também foram utilizados.

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: