Estudo aponta que 705 mil homens brancos têm mais renda que todas mulheres negras no Brasil

Autor: Redação Sul 21 Data da postagem: 10:00 31/12/2021 Visualizacões: 77
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
A publicação visa investigar as desigualdades por gênero e raça/Imagem: Reprodução - Divulgação - Sul 21

Renda mensal média desse grupo é de R$ 114 mil, enquanto mulheres negras têm renda média de R$ 1.619,45.

Um estudo divulgado pelo Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da Universidade de São Paulo (Made/USP) a respeito da desigualdade de renda no Brasil sob o recorte de raça e gênero aponta que 705 mil homens brancos que estão entre os 1% dos mais ricos do Brasil possuem mais riqueza acumuladas do que todas as mulheres negras do País, que representam 26% da população e somam 32,7 milhões de pessoas.

O estudo aponta que os homens brancos representam 57% dos 1% mais ricos do Brasil e acumulam 15,3% da renda nacional, apesar de representarem apenas 0,56% da população total, com rendimento mensal médio de R$ 114.944,50. Por outro lado, as mulheres negras, apesar de serem cerca de um quarto da população, se apropriam apenas de 14,3% da renda nacional, com rendimento mensal médio de R$ 1.619,45.

O estudo destaca também que sete a cada dez dos 10% brasileiros mais pobres são negros, embora representem 54% de todos os adultos.

“A partir dessas informações, salta aos olhos uma desigualdade significativa interracial, seja quando olhamos a composição de cada grupo de rendimentos, seja quando olhamos a parcela da renda apropriada por grupos demográficos”, diz o estudo.

O estudo, realizado pelos pesquisadores Ana Bottega, Isabela Bouza, Matias Cardomingo, Luiza Nassif Pires e Fernanda Peron Pereira, foi feito a partir do cruzamento dos dados da Pesquisa de Orçamento Familiares 2017-2018 (POF), do IBGE, e do Imposto de Renda.

O estudo sugere que como uma medida para o enfrentamento dessa distorção a retomada da tributação de lucros e dividendos, que representariam 22% da renda dos 1% mais ricos do Brasil. Além disso, destaca que, mesmo entre os 1% mais ricos, os homens brancos se apropriam de 55% de todo os lucros e dividendos declarados, enquanto 18% ficam com as mulheres brancas e homens e mulheres negras somados ficam com apenas 10%.

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: