EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Gestão Doria admite que a 23 de maio 'ficou muito cinza'

Autor: Redação Catraca Livre Data da postagem: 11:00 25/01/2017 Visualizacões: 564
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
A Avenida 23 de Maio deve receber novos graffitis em um evento promovido pela Prefeitura / Imagem: Reprodução - Prefeitura de São Paulo - Catraca Livre

O secretário municipal de Cultura, André Sturm, afirmou nesta segunda-feira, dia 23, que a Avenida 23 de Maio "ficou muito cinza" e poderá receber novos graffitis ainda no primeiro semestre deste ano.

De acordo com informações do "Estadão", a Prefeitura de São Paulo estuda criar um "Festival do Grafite" na via, com artistas selecionados e materiais fornecidos pela gestão de João Doria.

Em relação ao cinza que agora domina a 23 de maio, Sturm disse que a Prefeitura terminará de remover todos os murais que não estiverem em bom estado de conservação. Apenas oito deles serão mantidos.

Segundo o secretário, a gestão pintou de cinza os graffitis que estavam pichados por cima do desenho, com cores esmaecidas e danificados pela poluição. Ele negou que a Prefeitura tenha usado o critério de que "uma imagem era artisticamente menor do que a outra".

"A arte urbana tem como pressuposto ser efêmera, em qualquer lugar do mundo. A pessoa, quando faz grafite, sabe que aquilo pode apagar, pode ser manchado. Aquilo não vai ficar lá para sempre. Grafites não têm essa natureza", completou.

A avenida é uma das possibilidades para receber o evento por causa "do ruído" causado pela remoção dos graffitis e das pichações. "Ficou muito cinza e há uma vontade de fazer", afirmou Sturm. A ação foi feita pelo programa "Cidade Linda".

A Prefeitura vai escolher uma via da cidade para a realização do festival até o fim deste mês. Em seguida, serão abertas inscrições para os artistas.

Leia o conteúdo na íntegra.

Leia também:

Com origem na ditadura, pichação nasceu como forma de protesto

Em meio à guerra de Doria, obra do grafiteiro Basquiat virá ao MASP em 2018

Exposição fotográfica “Vidas Refugiadas” chega a Porto Alegre para debater gênero e refúgio

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: