Chamada Pública: ReIntegrar com equidade de raça e gênero para egressos do sistema carcerário ACESSAR

Senado argentino cria imposto sobre grandes fortunas para combater pandemia

Autor: Redação Uol Data da postagem: 10:00 07/12/2020 Visualizacões: 330
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Bandeira argentina/Reprodução: Uol

O Senado argentino aprovou na noite de hoje uma lei temporária que cria imposto sobre grandes fortunas, segundo informou a imprensa local. O projeto foi aprovado por 42 votos a favor e 26 contra, após um longo (e acalorado) debate transmitido ao vivo pelo YouTube.

O objetivo do governo do presidente Alberto Fernández é arrecadar ao menos 300 bilhões de pesos argentinos (cerca de R$ 18,9 bilhões, na cotação atual). Os recursos, diz o governo, serão aplicados em planos de combate à pandemia da covid-19.

"Não há necessidade de vender máquinas ou terras. A tributação cai sobre o financiamento do patrimônio", disse a diretora da Fazenda, Mercedes Marcó del Pont, e reproduzido pelo jornal "Clarín".

Mercedes afirmou ainda que o imposto —conhecido popularmente como "imposto sobre os milionários"— deve atingir "quase 12 mil contribuintes, que apresentam disponibilidade líquida 25 vezes superior ao imposto que devem pagar".

O lançamento do novo imposto ocorre em meio a uma economia já fragilizada: a taxa de desemprego na Argentina alcançou 13,1% da população ativa no segundo trimestre, um recorde nos últimos 15 anos, durante o momento mais restritivo do confinamento contra a pandemia da covid-19.

Já o PIB (Produto Interno Bruto) argentino registrou queda de 19,1% no segundo trimestre de 2020. Os dados foram divulgados em setembro.

A Argentina está em recessão desde 2018. Projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) estimam que o PIB do país cairá 9,9% em 2020.

O País registra, atualmente, 1.454.631 casos de coronavírus e 39.512 mortes em decorrência da doença. Em números de casos, a Argentina está em 9º lugar, atrás de países como Estados Unidos (14.343.430), Índia (9.571.559) e Brasil (6.487.084), segundo levantamento feito pela Universidade de Johns Hopkins.

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: