Vigilância divulga dados epidemiológicos alusivos à saúde do homem e população negra

Autor: Redação Porto Alegre Data da postagem: 18:00 29/12/2021 Visualizacões: 67
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Vigilância divulga dados epidemiológicos alusivos à saúde do homem e população negra/ Imagem: Reprodução - Divulgação - Porto Alegre

A Unidade de Vigilância Epidemiológica (UVE) da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou nesta quinta-feira, 9, documento alusivo ao Novembro Azul e ao Novembro Negro, com dados epidemiológicos sobre a saúde da população masculina e da população negra residente em Porto Alegre. Tendo por base o ano de 2020, os números são apresentados a partir dos recortes de raça/cor e sexo para os dados de nascimentos e óbitos, doenças transmissíveis, doenças e agravos não transmissíveis (DCNT).

Entre os destaques, 30,2% dos bebês residentes em Porto Alegre nascidos em 2020 são filhos de mulheres negras, sendo que a população negra representa 20,2% dos habitantes da Capital, de acordo com o Censo 2010 do IBGE. A maior parte das crianças filhas de mães negras nasceram em maternidades SUS.

Sobre os óbitos, identifica-se mortalidade precoce tanto entre homens como na população negra, com destaque para as causas externas. Dos óbitos por homicídio, 88,71% foram de homens. Na análise por raça/cor, os homicídios também apresentaram maior proporção entre os negros.

O documento chama atenção para o fato de que, historicamente, o grupo que mais sofre com doenças transmissíveis crônicas (HIV/AIDS, sífilis e tuberculose) é a população negra - nos últimos três anos, esta população foi acometida por tuberculose em uma proporção três vezes maior do que a população branca.

A principal causa de internações por DCNT entre homens foi por Doenças do Aparelho Circulatório. Neoplasias de órgãos digestivos, do aparelho respiratório e dos órgãos genitais masculinos (que inclui o câncer de próstata) foram as principais causas de óbitos por neoplasias entre homens em 2020.

A gerente da UVE, enfermeira Juliana Maciel Pinto, destaca que "as análises epidemiológicas alusivas ao Novembro Azul e ao Novembro Negro buscam estimular ações de promoção de saúde e prevenção de doenças e agravos que mais acometem a essas populações, bem como sensibilizar a vigilância e a assistência à saúde para a equidade."

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: