Programa Prosseguir 2ª Edição

conheça

Em Salvador, quase 99% dos presos em flagrantes são negros, jovens e pobres

Autor: Luiz Fernando Teixeira Data da postagem: 12:00 11/10/2019 Visualizacões: 265
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Em Salvador, quase 99% dos presos em flagrantes são negros, jovens e pobres/Foto: Defensoria Pública do Estado da Bahia – DPE/BA - Reprodução - Estadão

Defensoria Pública do Estado da Bahia produziu relatório com dados sobre as audiências de custódia na capital nos últimos quatro anos

A Defensoria Pública do Estado da Bahia lançou um estudo sobre os resultados das audiências de custódia quatro anos após a regulamentação do procedimento no Estado. O “Relatório das Audiências de Custódia na comarca Salvador/Bahia (anos 2015 a 2018)’ evidenciou o perfil dos autuados na capital baiana, majoritariamente homens negros jovens e de baixa renda.

Processo Penal Distorcido

Os dados foram coletados entre setembro de 2015 e dezembro de 2018.

Durante todo o período de 1.128 dias foram registrados 17.793 flagrantes, sendo que 16.757 custodiados eram homens e 1.025 mulheres, informou o assessor do Gabinete, Lucas Ressurreição.

De acordo com o estudo, quase a totalidade dos autuados em flagrante são população negra (98,8%) – considerando pretos e pardos -, homens (94%); jovens (68,3%); com até o ensino fundamental (54,6%); e têm renda abaixo de dois salários mínimos (98,7%).

A Defensoria baiana deu assistência em 67,2% dos casos.

Já a taxa de retorno, quando uma pessoa incorre em uma nova audiência de custódia após ter sido liberado em uma anterior, cresceu ao longo dos anos: apenas 1,5% em 2016; 2,2% em 2017 e 3,9% em 2018.

Rafson Ximenes, defensor público geral da Bahia, afirma que as audiências são abordadas sem análise científica, baseando-se meramente no senso comum. “Isso faz com que o entendimento que as pessoas tenham de um processo penal seja distorcido”, avaliou.

O relatório reforça que ‘a análise a respeito da audiência de custódia não pode prescindir de uma investigação que tome a análise da realidade como norte para o debate’.

“Desconstrói a argumentação crítica pautada no senso comum que entende ser a audiência de custódia um instrumento de ‘incentivo a criminalidade’ vez que o flagranteado solto voltaria a cometer delitos por conta de suposta ‘impunidade’”.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: