EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

PMs são filmados agredindo jovem negro na zona sul de SP

Autor: Maria Teresa Cruz Data da postagem: 10:00 30/01/2020 Visualizacões: 141
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
PMs agridem rapaz em bairro no extremo sul de SP/ Imagem: Reprodução - Divulgação - Ponte

Policiais são do 37º batalhão, do Capão Redondo; gravação foi interrompida quando um dos 5 PMs veio na direção da pessoa que filmava.

PMs são filmados agredindo jovem negro na zona sul de SP

Cinco policiais militares são gravados em uma ação agredindo um rapaz negro no extremo sul de São Paulo. O vídeo foi postado em uma conta no Instagram na manhã desta segunda-feira (20/1).

Os PMs pertencem ao 37º BPM/M (Batalhão da Polícia Militar Metropolitano) que atua na região do Capão Redondo e Jardim Ângela, extremo sul da cidade.

Na postagem do vídeo que denuncia a abordagem da PM, a marcação de localização poderia indicar que a ação pode ter acontecido no Jardim Jangadeiro. “Servir ou oprimir? Na favela é assim”, diz mensagem escrita pela pessoa que postou o vídeo, que informa ter recebido em um grupo de Whatsapp. A Ponte tentou entrar em contato com o dono do perfil, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem.

Os policiais do 37º BPM/M, desde abril do ano passado, segundo informações do governo de SP, foram os pioneiros ao projeto de acoplar câmeras na farda ou capacete. Nas imagens, é possível ver um dos policiais com uma câmera do tipo gopro no capacete. Quando a medida foi anunciada, em 8 de abril de 2019, o governo informava que “a proposta é proteger quem está dos dois lados da lente, ou seja, cidadãos e policiais”.

A reportagem também enviou o vídeo à SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo), sob o comando do general da reserva João Camilo Pires de Campos nesta gestão de João Doria (PSDB), e questionou se o procedimento em uma abordagem policial é o retratado.

Em nota, a PM informa que “após análise das imagens apresentadas pela imprensa, de imediato foi determinada a apuração dos fatos por meio de um Inquérito Policial Militar e os policiais militares foram afastados do serviço operacional”.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: