EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Depoimentos de jovens mostram falhas nos processos de reconhecimento da polícia

Autor: Redação Profissão Repórter Data da postagem: 14:00 02/04/2021 Visualizacões: 95
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
"Vê a nossa cor e já fala, né? É ladrão", diz jovem preso injustamente/ Imagem: Reprodução - Divulgação - G1 Globo

Após acompanhar a luta de uma mãe para provar a inocência do filho acusado de assalto à mão armada injustamente, o Profissão Repórter falou com outros cinco jovens que foram acusados do mesmo crime e que também não haviam cometido o delito. Todos eram negros.

Eduardo, de 16 anos, foi acusado de participação em dois assaltos à mão armada em São Paulo. Graças à luta de sua mãe, Liomézia, conseguiu provar sua inocência e foi liberado após 24 dias na Fundação Casa. Casos como o dele são mais comuns do que se imagina.

Eduardo foi detido pela polícia porque passava por um local próximo onde ocorreu o segundo assalto. Os PMs disseram que ele tinha características parecidas com as de um dos três criminosos: alto, negro e com mechas loiras no cabelo. Ao chegar na delegacia, o reconhecimento dele pelas duas vítimas foi determinante para a detenção de Eduardo.

O repórter Guilherme Belarmino, que registrou a luta de Liomézia por 21 dias até a libertação de Eduardo, chegou a falar com uma das vítimas, que falou como foi feito o processo de reconhecimento: "Eu vi uma foto e depois, quando nós estávamos esperando, tanto eu quanto a outra vítima, ele passou na nossa frente na delegacia". Questionado se teria certeza que foi realmente ele que o assaltou, o homem admitiu: "Cara, não. Não tenho".

Pela lei, segundo o artigo 226 do Código de Processo Penal, o suspeito deve ser colocado ao lado de outras pessoas com características parecidas com a dele para que as vítimas façam o reconhecimento. Isso não aconteceu.

"Como foi dito pelas próprias vítimas, colocaram ele sozinho para o reconhecimento. É óbvio, né? Não tem tu, vai tu mesmo [...]. Isso induz a vítima a reconhecer a pessoa", diz a advogada de Eduardo.

Profissão Repórter conversou com outros cinco jovens que passaram pela mesma situação de Eduardo. Foram acusados de assalto à mão armada, detidos e depois tiveram que contar com a família para correr atrás de provas que comprovassem sua inocência.

Todos também tiveram suas fotos tiradas pelos policiais e depois foram reconhecidos, através delas, pelas vítimas. "A gente foi reconhecido pela cor da nossa pele", afirma um deles. "Vê a nossa cor e já fala, né? É ladrão", diz outro. "O preconceito é muito", lamenta um terceiro.

"Injustiçado", "tristeza", "indignado": essas foram algumas das palavras usadas por eles para falar sobre o que viveram. 

 
 
 
 
 
Curta a nóticia:
Curta o CEERT: