EDITAL EQUIDADE RACIAL

ACESSAR

Curta vencedor do Oscar expõe racismo policial, escreve João Gabriel Teixeira

Autor: JOÃO GABRIEL TEIXEIRA Data da postagem: 12:00 30/04/2021 Visualizacões: 74
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Vencedor do Oscar de curta-metragem, Two Distant Strangers aborda a violência policial e o racismo estrutural nos Estados Unidos/Reprodução: Poder 360

Two Distant Strangers, filme produzido pela Netflix, conquistou no domingo (25.abr.2021) o Oscar de melhor curta-metragem contando a história de um jovem que acorda todos os dias com o objetivo de voltar para casa (onde está seu cachorro) e, no caminho, é assassinado por um mesmo policial.

O ciclo repete-se e, mesmo sabendo o que o espera, o jovem afro-americano não consegue quebrá-lo.

Tema central do curta, a história de violência contra negros é alarmante e, infelizmente, comum para aqueles que acompanham noticiários nos Estados Unidos e no Brasil.

Na cerimônia de entrega do Oscar, o diretor Travon Free disse: “Hoje a polícia vai matar 3 pessoas. E amanhã a polícia também vai matar 3 pessoas. E depois de amanhã a polícia vai matar 3 pessoas. Em média, nos Estados Unidos, a polícia mata 3 pessoas por dia. O que equivale a cerca de mil pessoas por ano. A maioria dessas pessoas, de forma desproporcional, é negra”.

Cinco dias antes da cerimônia do Oscar em Los Angeles, um júri em Minneapolis condenou o ex-policial norte-americano Derek Chauvin pela morte de George Floyd em 2020.

Em dezembro do ano passado, um militar afro-americano, o 2º tenente Caron Nazario, foi parado pela polícia depois de supostamente infringir uma lei de trânsito. Fardado, o militar dirigiu até um posto de gasolina, onde a iluminação era melhor para que os policiais pudessem ver que ele estava desarmado. Cooperou com todos os pedidos dos policiais, mantendo-se calmo mesmo depois de um dos oficiais brancos ter afirmado que ele “deveria estar com medo”.

Quando os policiais se aproximaram, usaram spray de pimenta, apesar de ele estar com ambas as mãos para fora do carro. O caso foi revelado recentemente, com a divulgação nas redes sociais.

Situações como a enfrentada pelo militar norte-americano são extremamente comuns nos Estados Unidos e, também, têm sido cada vez mais frequentes no Brasil. Em ambos os países, o ciclo é vicioso e repetitivo. Policiais abordam jovens negros com uma frequência maior do que brancos.

Two Distant Strangers explora essa situação de maneira explícita e inteligente. O ciclo vivido pelo personagem Carder James faz um paralelo com a rotina de milhares de norte-americanos negros que são alvo de violência policial todos os dias.

Só no ano passado 241 afro-americanos foram mortos pela polícia em contraste com 457 brancos. Isso poderia significar que não há racismo no país. Mas o fato é que, proporcionalmente, negros, sobretudo jovens, são mortos em um percentual muito maior do que brancos, levando em consideração a demografia étnica do país, que tem mais de 60% de sua população branca e 13% afro-americana, conforme Statista.com e o jornal Washington Post.

No Brasil, de acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública do ano passado, 79,1% dos mortos em ações policiais eram negros.

Em Two Distant Strangers, os diretores Travon Free e Martin Desmond Roe usam a ficção para narrar a realidade de milhões de norte-americanos (e brasileiros) que têm sua cidadania testada diariamente em razão de racismo e desigualdade social. Travon Free afirmou: “Se eles [policiais] não reagissem à nossa cor da nossa pele, muita gente ainda estaria viva”.

Contando com a estrela de rap Joey Bada$$ no papel principal, Two Distant Strangers mostra que nem os mais ricos e influentes estão livres do racismo. Para jovens negros e latinos, a polícia norte-americana não passa uma sensação de segurança, mas sim de ameaça.

O assédio do policial branco ao jovem negro em Two Distant Strangers expõe o racismo estrutural que desmoraliza a imagem de liberdade norte-americana.

Mais do que um grito de protesto contra o assassinato de um jovem negro, o filme escancara a forma corriqueira como a violência e a discriminação são tratadas.

Two Different Strangers provoca indignação e expõe a urgência na reforma do sistema de segurança para enfrentar o racismo. Quanto mais a reforma demorar, mais casos de violência contra jovens negros e mais injustiças poderão acontecer nos Estados Unidos e no Brasil.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: