Chamada Pública: ReIntegrar com equidade de raça e gênero para egressos do sistema carcerário ACESSAR

Voltar

Projeto O Ayê Nagô - Educar para a Igualdade Racial

Objetivo

Conscientizar os alunos sobre a importância de se identificarem enquanto personagem histórico de um país plural e diversificado, fruto da miscigenação de negros, índios e europeus, porém, com destaque para a nossa ancestralidade africana. Nesse sentido, os alunos produziram um vídeo documentário que abordou o tema pluralidade cultural, com ênfase à nossa afrodescendência.

Metodologia

A partir de debates em sala de aula, se discutiu a importância da História do Brasil na reconstrução de nossa brasilidade. Abordamos conceitos que tratavam de aspectos referentes à miscigenação étnica que deu origem ao povo brasileiro. Nesse sentido, foram analisados vídeos temáticos, que tratavam da nossa ancestralidade africana e do papel do negro no Brasil contemporâneo. Orientados a realizar pesquisas com relevância sobre o contexto da pluralidade cultural, lançou-se o desafio de transformá-las em um documentário.

Atividades

• Debate mediado sobre a importância da História do Brasil para se entender a pluralidade cultural e nossa afrodescendência; • Análise de vídeos temáticos, revistas e jornais de grande circulação; • Confecção de trabalhos, momento de produção de cartazes em sala de aula; • Seminários, fase onde as equipes apresentam seus trabalhos para os colegas da mesma turma; • Lançamento de desafio e produção de roteiros para vídeos documentários; • Captação de áudio e imagens; • Edição de vídeos; • Culminância, momento em que os grupos expõem suas produções para toda a escola.

Resultados

O resultado pode ser observado na maneira como os alunos passaram a tratar o tema no cotidiano escolar e nas famílias. O respeito no falar das questões polêmicas como religião, mercado de trabalho, relações conjugais, sustentabilidade (...) davam o tom da mudança de atitude e consciência crítica. A segurança em se expressar e abordar as temáticas foram significativas. No dia a dia da escola, os professores comentavam e percebiam como os meninos e meninas se dirigiam às questões étnicas do Brasil com mais respeito e consciência.

Docentes

Anderson Pereira Ramalho

Imagens